Tuesday, December 6, 2022

Crítica | ‘Autodeclarado’ discute política pública de cotas no Brasil

Quando criança, morava em Madureira, subúrbio carioca, lotado de descendentes de africanos. Lá eu era só mais um. Até que me mudei para Tijuca e na escola começaram a me chamar de cabelo bombril, cabelo ruim. Era doloroso, não entendia. Quis que meu cabelo fosse diferente. Lembrei disso vendo o documentário Autodeclarado. A partir do debate sobre as fraudes cometidas por brasileiros brancos e as acusações contra brasileiros pardos nos programas de ação afirmativa para ingresso nas universidades e em concursos públicos no Brasil, o filme busca refletir de forma profunda sobre colorismo, racismo e identidade racial.

Pessoalmente se pelos pretos não era visto como preto e pelos brancos não era visto como branco, hoje, sem dúvidas, me coloco como pardo. As situações que o filme aborda são extremamente relevantes para entendermos melhor a cultura brasileira e os preconceitos. É sobre identidade brasileira.

O documentário é dinâmico e mantém o espectador ligado e interessado nas falas muito provocativas que geram reflexões.

Entrevistas

No filme, Luan Myque Figueira da Silva, Luciene Guimarães de Faria, Cristina Sousa, Bárbara Kruczyski, Janedson Almeida e Glaucielle Dias estão ao centro do documentário, que parte das suas histórias e experiências como sujeitos de comissões de verificação em diferentes regiões e instituições brasileiras, com resultados diversos.

Além disso, o projeto ainda conta com a participação de 25 entrevistados, incluindo lideranças históricas no movimento negro no Brasil, os criadores e redatores da regulamentação das comissões de verificação, reitores de universidades federais e privadas, acadêmicos, youtubers e influenciadores digitais negros, negras, pardos e pardas e, principalmente. Entre eles, Frei Davi (EDUCAFRO), Prof. José Vicente (Reitor da Universidade Zumbi dos Palmares), Benedito Gonçalves (Ministro do STJ), Spartakus Santiago e Winnie Bueno (ambos influenciadores negros de grande alcance entre o público-alvo do filme), Natalino Salgado (Reitor da UFMA), e Demétrio Magnoli (sociólogo e jornalista).

A saber, Autodeclarado terá apenas duas exibições em salas de cinema, dia 11 em Brasília e dia 12 em São Paulo.

Enfim, se liga no trailer:

Ademais, leia mais:
Além disso, tem Marcelo Monteiro | “Cosmogonia resgata e desperta a consciência do povo negro”
Por fim, Ana Catão do Cosmogonia Africana| “Nossa missão é trazer essa história que foi varrida para debaixo do tapete”

1 Comment

Escreve o que achou!