Teatro Angel Vianna recebe apresentações gratuitas de ‘Módio’ e ‘Brutal’ nos dias 18 e 19 de junho

A Cia Gente apresenta os espetáculos “Módio” e “Brutal” dias 18 e 19 no Teatro Angel Vianna, em apresentações gratuitas, às 19 horas. Além disso, na manhã de cada espetáculo haverá também a oficina gratuita “Corpo Memória”, no próprio local às 09h30, com distribuição de senha.

A oficina, de curta duração, propõe, por meio das representações do gesto, da palavra e do movimento, o uso do corpo e da voz como estratégias narrativas, tendo como protagonismo as respectivas biografias dos participantes. As inscrições ocorrem pelo email: contato@ciagente.com.br

Estas apresentações fazem parte da comemoração da comemoração de 10 anos da Cia da Gente. Dentre os temas abordados aparecem o racismo (Mòdio) e o estigma (Brutal).

MÓDIO

Espetáculo de dança no formato de palco italiano, que inaugura o conceito de desequilíbrio. Para isso apresenta experimentos diferentes a fim de construção da linguagem. Ou seja, parte desde a fisicalidade em si do movimento até chegar ao debate cênico sobre determinações morais que incidem no corpo. Ademais, adentra as possibilidades de ruptura ou não desses imaginários.

Serviço

Teatro Angel Vianna

18/06, às 19 hs – Gratuito com distribuição de senha.

Classificação 16 anos

BRUTAL

Espetáculo de dança no formato de grupo e disposição para palco italiano, o qual dá sequência à investigação cênica iniciada em “Módio”. Porém, em “Brutal”, os contornos se delineiam nas expressões que testemunham os efeitos resultantes de fragmentação do olhar. A forma de olhar o outro (sua cultura, sua forma, seu gesto, outra vez sua aparência) pela metade ou sem a devida oportunidade que a pessoa se (re)apresente autoriza distintas formas de “chacinas” e a produção de “monstros sociais”.

Serviço

Teatro Angel Vianna

19/06, às 19 hs – Gratuito com distribuição de senha.

Classificação 16 anos

Ademais, leia mais:
Além disso, tem Marcelo Monteiro | “Cosmogonia resgata e desperta a consciência do povo negro”
Por fim, Ana Catão do Cosmogonia Africana| “Nossa missão é trazer essa história que foi varrida para debaixo do tapete”

Escreve o que achou!