Flipoços 2021 | Live sobre lendas africanas conta com importantes cordelistas brasileiros

Lendas africanas? Você já ouvir falar em Uagadu? Este é o nome de um dos lançamentos da SESI-SP Editora, no qual os autores e importantes cordelistas brasileiros, Marco Haurélio e Arlene Holanda, apresentam quatro lendas da tradição oral africana neste formato literário.

A princípio, são pouquíssimos os registros destas histórias e das tradições mais remotas da África. Dessa forma, portanto, isso ressalta a importância da obra e do convite para os leitores participarem da live, com apoio do SESI-SP, que será realizada no Festival Literário Internacional de Poços de Caldas (Flipoços), nesta quarta-feira (dia 21), a partir das 15h.

Aliás, a autora Arlene Holanda destaca que o livro foi pensado “para lançar a luz das palavras e da imaginação sobre essa visão hegemônica, redutora de uma África comum, padronizada em contraponto a uma África diversa, de culturas ricas e povos produtores de uma cultura material e imaterial cuja fonte nos alimenta, afrodescendentes ou não”.

Afinal, esse evento aberto ao público é uma oportunidade para viver a experiência de conhecer lendas da tradição oral em cordel. O bate-papo virtual terá, além da participação dos autores de Uagadu, a mediação com a analista de atividades culturais SESI-SP, Josilma Amato.

A saber, a transmissão acontece no site oficial do evento (https://bit.ly/sesisenaiflipocos), na sala autores e lançamentos.

Soninquê

Uagadu – Uma odisseia africana reúne quatro contos, transformados em cordel, com base em registros oficiais do arqueólogo e importante nome na etnografia alemã, Leo Frobenius, que trazem revelações surpreendentes e provocadoras do povo soninquê, base do Império de Gana.

O povo soninquê é de origem mandê, o qual teria vivido na região que compreendia terras dos atuais países de Nigéria e Gana. Fundou pequenas cidades, que, desde o século IV, sofreram um processo de unificação, provavelmente uma estratégia nas guerras com povos nômades, que acabaram por se mesclar à população nativa. No século VIII, a região já era conhecida como Império de Gana. Antes do advento das invasões de povos oriundo do Magrebe, os soninquês chamavam sua região de Uagadu.

Além disso, nesta obra, as lendas africanas se completam sem perder sua individualidade e força, com textos independentes: A canção de Gassire, O tabele mágico, A grande serpente Bida e Samba Gana. Leitura inusitada e que descontrói o estereótipo africano.

Por fim, na visão do autor Marco Haurélio, “Uagadu foi muito importante, pois percebi que as histórias deste ciclo eram tão fabulosas quanto as da mitologia clássica e as da Távola Redonda. E, apesar de serem singulares em seus enredos, dialogam com narrativas clássicas de outros países. Assim como Uagadu, a África-mãe, com sua maravilhosa pluralidade, merece ser descoberta”.

Serviço:

Festival Literário Internacional de Poços de Caldas

Data: de 21 a 25 de julho de 2021

Local: site da Flipoços – https://bit.ly/sesisenaiflipocos

Online e gratuito

Live: Descubra lendas da tradição oral africana em cordel

Livro: Uagadu – Uma odisseia africana

Editora: SESI-SP Editora

Data: 21/07/ 2021 (quarta-feira)

Horário: 15h

Local: sala de autores e lançamentos

Autores-convidados: Marco Haurélio e Arlene Holanda

Mediação: Josilma Amato, analista de atividades culturais SESI-SP

Ademais, leia:

Aliás, conheça a gastronomia africana de Dandara Batista, Afro Gourmet e o feminismo negro

Luellem de Castro | “Feminismo é um conceito branco”

Zezé Motta – Mulher Negra | Afinal, especial vai celebrar Tereza de Benguela

Escreve o que achou!