Conecte-se conosco

Literatura

O fio que nos une | Escritora carioca retrata antiga lenda asiática entre amor e lutoem novo livro

Publicado

em

O fio que nos une

Se existisse um fio invisível que unisse almas gêmeas e uma pessoa tivesse a missão de aproximá-las, como uma espécie de cupido? “O fio que nos une”, lançamento da VR Editora, conta a história de Letícia, uma jovem mulher em luto que é surpreendida com essa curiosa tarefa do destino.

A princípio, o romance escrito por Deborah Strougo começa um ano após a morte do noivo de Letícia. Em seguida, após 365 dias, a dor da perda ainda reverbera com intensidade dentro do peito dela. Depois de receber a misteriosa missão e perceber a ausência de um fio preso ao próprio dedo, ela assume que o amor é algo relativo apenas do passado.

Geek e esperança

A situação se transforma quando Thiago – o novo colega de escritório que sempre usa camisetas engraçadas e é todo trabalhado nas referências geek – surge na vida da protagonista e mostra que o amor pode sim renascer após tanta dor. Os mistérios do destino surpreendem a personagem com os fios da própria trama, invisíveis aos olhos Letícia e capazes de dominar até os mais desacreditados no amor.

Por fim, “O fio que nos une” é uma história sobre luto, aceitação e retorno à vida. É sobre as muitas possibilidades após uma grande perda e a certeza de que todos, sem exceção, merecem viver intensamente seu destino.

“Tal qual o fio do destino une duas metades predestinadas, a autora, com seu talento, une as palavras e frases, conecta os personagens, surpreende e te faz acreditar em lendas antigas – e em amor de almas gêmeas”, afirma Babi A. Sette, autora best-seller, sobre o lançamento.

Ficha técnica:

Título: O fio que nos une
Autora: Deborah Strougo
Número de páginas: 304
ISBN: 978-65-86070-88-0
Editora: VR Editora
Formato: 16 x 23 cm
Preço: R$ 59,90
Link de venda: Submarino

Anúncio
Clique para comentar

Escreve o que achou!

Literatura

Mês do Orgulho | Confira 8 livros com protagonismo LGBTQIAP+

Há uma obra que veio de pesquisas sobre a homossexualidade e as divindades mitológicas, texto sobre as vivências trans nas favelas brasileiras e sugestões de fantasia e romance

Publicado

em

mês do orgulho gay dicas de livros

Junho é o Mês do Orgulho LGBTQIAP+. Sendo assim, é um período que, além de celebrar, fala da conscientização e luta pelos direitos e igualdade. Durante essa época, diversos lugares do mundo realizam uma série de eventos, manifestações e atividades que buscam promover a visibilidade.

Mas e a representatividade na literatura? Em seguida, confira as indicações e escolha sua obra preferida:

A Banda Sagrada de Tebas

Quem foram os deuses homossexuais? Neste livro, o jornalista, escritor e pesquisador Thiago Teodoro apresenta uma perspectiva LGBTQIAP+ para as divindades. Ele aborda nomes como Pã, Apolo, Dionisio e Zeus, mas também mergulha na mitologia brasileira ao falar de Anhangá, o protetor da floresta, e Acauã, a defensora das mulheres. Um dos principais objetivos do autor é destacar como a homossexualidade era considerada sagrada e necessária em diversos períodos da antiguidade.

(Autor: Thiago Teodoro | Onde encontrar: Amazon)

Liberalismo Minoritário – Vida Travesti na Favela

A vida na favela é repleta de desafios, mas, para as pessoas LGBTQIAP+, essa rotina pode ser ainda mais árdua. Porém, mesmo neste cenário de poderes paralelos e liberdades cerceadas, as vivências queer florescem e ganham cada vez mais força. Esta é a conclusão do professor e pós-Doutor pela Universidade de Harvard, Moisés Lino e Silva, após morar na Rocinha e acompanhar de perto a vida de figuras como a travesti Natasha Kellem.

(Autor: Moisés Lino e Silva | Onde encontrar:  Amazon)

Amores, Marias, Marés

O lançamento Amores, Marias, Marés tem como pano de fundo São Luís, a capital do Maranhão, no ano de 1963. O leitor acompanha a relação amorosa entre duas mulheres que, naquela época, não fazia parte do imaginário coletivo. No enredo, uma professora recém-casada com um aristocrata se apaixona por uma jovem afrodescendente interessada em estudar a participação dos negros na construção da sua cidade.

(Autor: Chico Fonseca | Onde encontrar: Amazon)

Que vença o melhor

Capitão de torcida e presidente do grêmio estudantil, Jeremy não vai permitir que se assumir como um garoto trans arruíne o último ano escolar. Em vez de se esconder, decide concorrer ao título de Rei do Homecoming, o evento anual mais importante do colégio. O detalhe é que o ex-namorado dele, Lukas, estrela do futebol americano, é um dos principais candidatos a ganhar a coroa. Com bom humor e delicadeza, Z. R. Ellor aprofunda temas comuns entre os jovens, mas pouco abertamente falados na vida real: a dificuldade de lidar com o luto e o preconceito LGBTQIAP+ na sala de aula.

(Autor: Z. R. Ellor | Onde encontrar: Amazon)

Meu menino colorido

A pedagoga Zenilda Cardozo uniu os anos de experiência em sala de aula às vivências pessoais com um sobrinho vítima de homofobia para escrever o livro Meu menino colorido. Com foco no público pré-adolescente e inspirada na literatura de cordel, a história foca em um garoto que se descobre LGBTQIAP+ e enfrenta o preconceito das pessoas ao seu redor. Ele pensa em desistir de tudo, mas é salvo pelo amor da mãe.

(Autora: Zenilda Cardozo | Onde encontrar:  Amazon)

Um dia de céu noturno

Glorian, sucessora do rainhado de Inys, Tunuva, a irmã do Priorado, e Dumai Wulf, amante de dragões, se unem para enfrentar um maligno cuspidor de fogo vermelho conhecido como wyrm. A obra garante uma imersão no matriarcado, protagonismo feminino, representatividade LGBTQIAP+ e temáticas como busca pela identidade, maternidade e relacionamento sáfico. A história se passa 500 anos antes da duologia “O priorado da laranjeira”, best-seller de Samantha Shannon, e pode ser lido de forma independente.

(Autora: Samantha Shannon | Onde encontrar: Amazon)

Carmilla: a Vampira de Karnstein

A obra é narrada por Laura, uma jovem que vive isolada com o pai em um castelo. Mas uma hóspede inesperada despertará os sentimentos amorosos da personagem. Ao mesmo tempo, a visita causará na protagonista certo terror, ao trazer de volta antigos pesadelos da infância. Apesar do enredo acontecer em 1872, a autora não esconde a sexualidade da protagonista.

(Autor: Sheridan Le Fanu | Onde encontrar: Amazon)

A história de Carmen Rodrigues

Carmen já não podia aceitar a situação imposta por um marido negligente e opressor, mas livrar-se dele parecia utopia. Até descobrir o verdadeiro amor em Clarissa e encontrar a força necessária para viver o sonho de ser empresária e de ter uma família saudável. Mas, quando o ex-marido resolve tirar a guarda do filho e suas conquistas, a personagem precisa contar com os amigos e com a companheira para se reerguer.

(Autora: Ana Luiza Libânio | Onde encontrar: Amazon)

Continue lendo
Anúncio
Anúncio

Cultura

Crítica

Séries

Literatura

Música

Anúncio

Tendências