A Vida das Bonecas Vivas | Espetáculo se inspira nas Living Dolls e faz leitura contemporânea do butô e kabuki

O espetáculo de dança-teatro A Vida das Bonecas Vivas, com concepção e direção de Dan Nakagawa, tem pré-estreia online no dia 29 de novembro, domingo, às 21h30. A gravação – que será exibida pelo canal do projeto no YouTube – ocorreu no palco da Sala Paschoal Carlos Magno do Teatro Sérgio Cardoso, onde cumprirá temporada com presença física do público, em abril de 2021.

Com estética recheada de referências do butô, do kabuki e da dança contemporânea, A Vida das Bonecas Vivas parte do movimento das Living Dolls para tratar de existências humanas à margem de uma sociedade que cerceia a diversidade e a subjetividade. A encenação surge como uma resposta-celebração para uma existência possível no mundo patriarcal e embranquecido.

A ficha técnica, que tem Helena Ignez como atriz convidada, conta com nomes como Bogdan Szyberde (polonês, radicado na Suécia) na provocação cênica, Lucas Vanatt como dramaturgista e Anderson Gouvea na coreografia. Além disso, o elenco tem Alef Barros, Laércio Motta, Gabriel Shimoda e Vivian Valente.

O corpo transformado

A Vida das Bonecas Vivas tem inspiração na comunidade global Living Dolls, na qual homens se vestem com máscaras, roupas de silicone e seios protéticos a fim de se transformarem em bonecas vivas. Surgido nos anos 80, atualmente o movimento tem mais adeptos na Alemanha, Reino Unido e EUA. A montagem investiga questões existenciais, de identidade, filosóficas e artísticas na construção psíquica da personalidade em busca de um duplo como forma de transcender a própria existência. E, pelas sutilezas, tensões cênicas e subjetivas, revela a maneira como a instauração dessa nova persona afeta a identidade e, por consequência, a dança do corpo transformado.

Em um lugar atemporal, o enredo fala de pessoas que precisam existir de forma oculta. Dan Nakagawa traz para o espetáculo a mesma desconstrução do olhar normatizante em relação à sexualidade, gênero, expressão artística e, principalmente, ao modo a expandir e discutir as novas formas de existência que estão além dos padrões estabelecidos. A encenação ocorre em um ambiente que imprime a ideia de sonho. Os atores-bailarinos-performers são envolvidos por atmosferas lúdicas nas quais a cor branca sugere o infinito. O figurino remete à vestimenta plastificada da cultura living dolls, trazendo uma mobilidade contida para os corpos e, ao mesmo tempo, conferindo-lhes uma estética ora lírica, ora grotesca e ora bufônica. A trilha sonora também é criação de Nakagawa para o diálogo direto com as coreografias.

Dan Nakagawa

O primeiro contato de Dan Nakagawa com o tema (living dolls) foi por meio do documentário O Segredo das Bonecas Vivas. “Fiquei fascinado, intrigado com aqueles homens de meia idade e seus hábitos secretos de se vestirem de bonecas com um vestuário de látex, exclusivamente confeccionado para esse movimento. Eles, geralmente, ficam em casa, em suas vidas ordinárias, cada um em sua relação com seu avatar-boneca e, com suas máscaras, transcendem o quê são, para além de suas existências. Isto é arte: anular-se para descobrir outra persona”, revela.

Serviço

Espetáculo: A Vida das Bonecas Vivas

Pré-estreia online / Live: 29 de novembro – domingo, às 21h30

Onde: YouTube / A Vida das Bonecas Vivas – https://cutt.ly/avidadasbonecasvivas

Grátis. Duração: 1h. Classificação: 14 anos. Gênero: Dança-teatro.

Ademais, leia ainda:

Visibilidade bissexual | Conheça 5 séries com personagens bissexuais

I may destroy you | Entenda porque é a melhor série do ano

Indianara | Filme sobre militante transgênera vence 9a Mostra Ecofalante

Escreve o que achou!