Wednesday, September 22, 2021

Confessionário – Relatos de Casa | Websérie encoraja mulheres a denunciar violência doméstica

Confessionário – Relatos de Casa é uma websérie brasileira feita durante a quarentena e aborda a violência doméstica através de diversos relatos de vítimas adaptados para monólogos interpretados por atrizes. Assim, ao final de cada episódio, a advogada Gabriela Souza, especializada em tratar de casos de violência doméstica contra a mulher, traz orientações voltadas para vítimas e público em geral, no intuito de instruir sobre esse delicado tema.

A websérie estreou sua primeira temporada em agosto deste ano no canal Confessionário no YouTube e conta com um cenário simples, composto por uma tela de notebook e atrizes relatando os casos de violência doméstica. Ao todo, são 9 episódios de aproximadamente 20 minutos nos quais mergulhamos em relacionamentos abusivos com situações humilhantes, insalubres e angustiantes. Logo, é difícil ouvir as histórias e não ter um misto de sentimentos sufocantes.

Um projeto que visa o encorajamento

Confessionário – Relatos de Casa é fruto de um projeto idealizado pela atriz e diretora de teatro Deborah Finocchiaro e pelo diretor de cinema Luiz Alberto Cassol. Desse modo, abordando essa temática há 20 anos em seu trabalho, Deborah contou com a assistência jurídica da advogada Gabriela Souza para a realização da obra. Inclusive, foi através dos casos que Gabriela auxiliou que surgiram as histórias apresentadas na websérie, além de outras advindas de pesquisas e notícias de jornais. Houve uma mescla de várias histórias transformadas em nove, cada uma com uma personagem.

O objetivo do projeto, segundo a idealizadora, é encorajar mulheres a falar sobre suas vivências em contexto de violência doméstica. E, também, de perceberem que não estão sozinhas. Assim, quanto mais mulheres vencerem a barreira do silêncio e exporem suas histórias, mais mulheres se sentirão encorajadas a buscar ajuda. 

Há diversas redes de apoio que auxiliam e amparam vítimas de violência doméstica, como é o caso do Coletivo Justiceiras e o Mapa do Acolhimento, divulgados ao fim de cada episódio. 

Aliás, o Coletivo Justiceiras acabou sendo criado emergencialmente durante a quarentena e conta com uma rede de apoio composta por voluntárias e que inclui orientação jurídica, psicológica, socioassistencial, médica e acolhimento de maneira gratuita e on-line.

Violência contra a mulher no Brasil

Fruto do machismo, a violência doméstica vem disfarçada de cuidado e arrependimento por parte do parceiro. Além de promessas de melhoria de conduta, que, no geral, não acontecem. Por se acharem donos do corpo feminino e subjugarem a autonomia feminina, muitos homens assumem uma conduta violenta traduzida em possessividade, ciúmes excessivos e obsessão por controle. 

Afinal, segundo o Mapa da Violência de Gênero, no ano de 2017, 67% dos casos registrados de agressão física no Brasil tinham como vítimas mulheres. Além disso, a Organização Mundial de Saúde (OMS) coloca o país no 5º lugar do ranking de violência contra a mulher em contexto doméstico e familiar. São panoramas inadmissíveis e que merecem atenção para que haja mais políticas públicas protetivas para as mulheres brasileiras. Basta de violência de gênero.

Vem mais temporadas?

A saber, há a possibilidade de Confessionário – Relatos de Casa contar com mais duas temporadas. O projeto é todo feito de forma independente. Os episódios são divulgados em suas redes sociais no Instagram e Facebook.

Por fim, em caso de denúncias, ligue 180 ou procure uma Delegacia de Mulheres de sua região.

Coletivo Justiceiras: WhatsApp (11) 99639-1212

Mapa do Acolhimento: www.mapadoacolhimento.org

Ademais, confira o trailer:

Aliás, confira a voz feminina representada em 7 HQs
Crítica | Mulher-Maravilha 1984, o Retorno da Rainha e as pessoas extraordinárias
Além disso, Quebra Tudo A História do Rock na América Latina na Netflix contra as ditaduras

Escreve o que achou!