Crítica | Geração 30 e poucos

Uma série italiana divertida e que mostra com bastante verossimilhança a Geração 30 e poucos (Generazione 56k). Vemos o início da internet, as agruras da adolescência nos anos 90. Uma das virtudes é que no primeiro episódio é pelo ponto de vista de Daniel (Angelo Spagnoletti, belo e carismático) e no segundo, Matilda (Cristina Capelli, deslumbrante). E assim por diante. Ficamos com experiências masculinas e femininas.

Pessoalmente, para mim, foi bem nostálgico. Ver uma época em que ligávamos para os amigos no telefone fixo e não tinha isso de celular, muito menos smartphone. Tempos de ver filmes em VHS. Tempos analógicos. Internet apenas começava e era um luxo.

Maratonei

A série é bem dirigida e nos detalhes vemos as mudanças que vão surgindo nos personagens. Como num inseto que incomoda no segundo episódio. Aliás, é bem engraçada também e o elenco tem química, parece que estamos ali, perto deles, acompanhando tudo, rindo das figuras, vendo as reações dos pais. Inclusive, as crianças estão demais de bem caracterizadas e tem uma simpatia ímpar.

Além disso, os coadjuvantes trazem questões interessantes como a pressão para terem filhos. O terceiro episódio pincela bem essa reflexão. A série me criou um problema sério: a vontade de maratonar. Lá se foi uma madrugada e eu tinha que acordar cedo. A cinematografia não decepcionou em momento algum e foi saboroso sentir todo um sabor italiano, essa cultura de falar alto, de amar a família, de romance.

Por fim, palmas para a edição de Geração 30 e poucos e os saltos entre passado e presente, onde vemos com exatidão as mudanças nas paletas de cores e acontecimentos de antes que reverberam no hoje.

Afinal, veja o trailer:

Ademais, veja mais:

Zero | Netflix traz herói do Senegal para a Itália

As Correntes de San Patrignano | Netflix e uma luta controversa contra as drogas na Itália

Sweet Tooth | Série da Netflix traz mundo pandêmico, contudo, com crianças animais

2 Comments

  • Livia Brazil

    Acabei de assistir o quinto episódio e tô amando. Tem questões problemáticas, como a falta de diversidade em todos os sentidos. Até tem homem que foge um pouco do padrão, mas as mulheres, obviamente, são absolutamente dentro do padrão. Mas, tirando isso, é uma delícia de série pra assistir pra relaxar e ficar com o coração quentinho.

    Responder

Escreve o que achou!

%d blogueiros gostam disto: