Crítica | ‘Doutor Estranho no Multiverso da Loucura’ voa alto e não decepciona

Dando continuidade do trauma em WandaVision, “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”, ou “Doutor Estranho 2”, é o ápice de um mental breakdown violento. Com muito tiro, porrada e bomba, esse carnaval visual de horror consegue expandir um pouco as possibilidades do MCU sem fugir da fórmula que funciona há mais de dez anos. Honestamente, é um bom fechamento para a saga da dor da Wanda e um bom capítulo intermediário para o Doutor Estranho.

A história

Com a crescente saudade dos filhos após o fim da séria WandaVision, Wanda Maximoff (Elizabeth Olsen) procura uma forma de acessar o Multiverso e encontrar os dois meninos em outro universo. Para resolver o seu problema, ela começa a caçar a jovem America Chavez (Xochitl Gomez), que é uma adolescente de outra Terra que pode se mover livremente através de todo o multiverso. O Doutor Estranho (Benedict Cumberbatch) salva a menina durante o casamento da sua ex, Christine (Rachel McAdams) e a leva para a segurança do Kamar-Taj, o santuário dos Mestres das Artes Místicas.

Assim, “Doutor Estranho 2” tem algumas reviravoltas e alguns momentos feitos para os fãs (espere até o final de todos os créditos), o que é de se esperar no MCU. Com isso, vale falar que os cameos (participações especiais) variam entre hilários e épicos, com o perdão da palavra. Essas participações não parecem forçadas e, como os personagens foram bem escritos, aumentam o impacto emocional de “Doutor Estranho 2” como um todo.

Depois disso, o plot evolui de forma bem orgânica, com explicações simples e uma progressão que não vai confundir praticamente ninguém na audiência. Mesmo com livros mágicos, saltos pelos multiversos e vários artefatos poderosos, “Doutor Estranho 2” consegue ser explicadinho sem parecer mastigado. As cenas de exposição estão bem diretas, mas não tratam quem assiste como um idiota, o que é um ponto muito positivo.

Personagens

A Wanda rouba a cena a cada segundo na tela. Tem algo palpável na sua dor, na sua raiva controlada e na sua obstinação. É quase difícil não entender o porquê ela faz o que faz. Essa vontade de reaver os filhos acaba trazendo consequências terríveis, tanto para ela quanto para o universo, mas ela segue firme, implacável. Dito isso, eu agora tenho medo do potencial de destruição em massa da minha mãe.

O Doutor Estranho é o herói principal, e mesmo em um filme tão Wanda-cêntrico, ele passa por uma evolução própria, tendo um arco emocional bem conectado com a Christine. Como persona, ele fica meio de lado, tendo apenas um fechamento emocional, o que ajuda a dar espaço para a Wanda e a America.

Falando na nova heroína, America Chavez é uma personagem interessante, mesmo que emocionalmente limitada pelo escopo da história e pela experiência de atuar um trauma da atriz. Ainda assim, os seus poderes são muito impressionantes, o que abre um espaço bem legal para a personagem crescer em outras mídias.

O Wong (Benedict Wong) ainda não parece ser um mago supremo tão poderoso como a Anciã, mas ele vai chegar lá. Em “Doutor Estranho 2” ele consegue se provar um general astuto, o que valida a sua posição e comprova as suas habilidades. Finalizando, os Illuminati estão surreais, é preciso ver para entender.

O visual

A parte que todo mundo espera, o CG em “Doutor Estranho 2” é absurdo. Mesmo que em alguns momentos os humanos pareçam bonecões de borracha de longe, isso pouco importa. A riqueza visual é tamanha que as vezes mal dá tempo de se situar antes de tudo mudar. A cena dos trailers da queda entre os multiversos é muito impressionante, sendo um dos pontos altos do filme.

No geral, a fotografia funciona muito bem, com cortes limpos e algumas transições bem criativas. Quase todos os planos estão cheios de detalhes e possíveis referências, o que é bom para quem curte destrinchar os filmes cena a cena.

O subtexto

O filme vez por outra parece usar a personagem da America como uma analogia para os Estados Unidos da América, obviamente. Por conta disso, ela acaba aparecendo como uma promessa de um futuro controlado e poderoso, só papo imperialista. Parece ser um “Make America great again” dentro MCU, o que deixa um gosto ruim na boca de qualquer um que sofreu com o poder estadunidense. É até engraçado notar como algumas falas durante o clímax de “Doutor Estranho 2” parecem mais voltadas para o país do que para a personagem em si, exalando um patriotismo infantil.

Sintetizando o filme em uma frase, parece que todos tem que provar o seu valor. Afinal, o Strange precisa se provar um bom mago em todos os multiversos que visita, a America precisa controlar o seu poder extraordinário e se tornar melhor para o amanhã, enquanto o Wong está se tornando o líder dos magos, e servindo de desculpas pelo whitewashing que foi a Tilda Swinton.

Finalmentes

Por fim, mesmo sendo uma pessoa que não leva muito à serio o MCU e super-heróis como um todo, é difícil não ficar animado com um filme projetado especificamente como um parque de diversões no cinema. “Doutor Estranho 2” voa alto e não decepciona, mesmo com um subtexto pobre e, como sempre, conservador. Depois da batalha e do ápice de dois personagens, o diretor Sam Raimi não economizou no clímax emocional, dando um fechamento muito intenso para quem mais importa. Como um todo, “Doutor Estranho 2” é, em poucas palavras, bem maneiro.

Ademais, veja mais

Crítica | ‘Fetiches’ faz rir em cima de fantasias sexuais

Deus e o Diabo na Terra do Sol | Cópia restaurada em 4K ganha exibição no Festival de Cannes

Conheça os melhores lançamentos da Disney em maio

7.5
Doutor Estranho no Multiverso da Loucura

Surpreende, e muito.

2 Comments

Escreve o que achou!

%d blogueiros gostam disto: