Eu, Romeu | Espetáculo remonta clássico colocando em cena um ator preto para discutir estereótipos e preconceitos

Contar a conhecida tragédia de Shakespeare sob a perspectiva de um ator que provavelmente não seria escalado para protagonizar uma montagem clássica de “Romeu e Julieta”. Esse é o mote do espetáculo “Eu, Romeu”, que estreia no dia 29 de março, às 19h através da plataforma Zoom, com recursos do Governo Federal, do Governo do Estado do Rio de Janeiro e da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Rio de Janeiro, através da Lei Aldir Blanc.

A princípio, o solo apresenta uma dramaturgia autoral e contemporânea e é protagonizado pelo ator Marcos Camelo, que também assume o roteiro e o figurino do espetáculo. A direção artística é assinada por Cecília Viegas, que destaca que esta é uma história narrada por um homem preto.

O solo narrativo mistura música, teatro e circo e, para dar conta de tudo isso, o ator foi treinado de maneira sistemática pela direção. Assim, equilíbrios, rolamentos e o manuseio de um cilindro de ferro passaram a fazer parte da rotina deste novo Romeu que está em cena discutindo estereótipos e, sobretudo, preconceito.

“Como a aparência e o local de origem podem determinar até onde uma pessoa vai crescer na vida, fechando portas e mantendo este indivíduo no mesmo lugar? A primeira importância de ‘Eu, Romeu’, pra mim, é pensar em Rocha Miranda, bairro onde nasci e fui criado, que continua sem nenhum espaço voltado pra cultura, assim como outros bairros do subúrbio que seguem assim, em completo abandono. A peça me mostra que um povo sem acesso à cultura é um povo que tem roubado os seus direitos e sua capacidade de sonhar”, afirma, por fim, Marcos.

SERVIÇO:

Temporada: 29 de março a 08 de abril

Onde: Zoom

Horário: 19h

Ingressos Gratuitos

Link para acesso: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSfakMWkVOHHC2cWz5xwiGrdep4HM41Ovh_szGCq1noy0ICKzw/viewform?gxids=7628

Classificação Indicativa: 14 anos

Gênero: Solo Narrativo

Duração: 50 minutos

Ademais, leia mais:
Além disso, tem Marcelo Monteiro | “Cosmogonia resgata e desperta a consciência do povo negro”
Por fim, Ana Catão do Cosmogonia Africana| “Nossa missão é trazer essa história que foi varrida para debaixo do tapete”

1 Comment

Escreve o que achou!

%d blogueiros gostam disto: