Friday, November 27, 2020

Mostra de Cinema de Ouro Preto | Show inédito de Lô Borges Trio encerra programação gratuita

Nesta segunda-feira, 07 de setembro, a programação da 15a CineOP – Mostra de Cinema de Ouro Preto chega ao fim. Este ano, são 103 produções (15 longas, 12 médias e 76 curtas), de 15 estados, distribuídos por mostras. São elas: Contemporânea, Preservação, Histórica, Educação, Mostrinha, Mostra Valores e Cine-Escola. Inclusive, para os professores e alunos, uma boa notícia: os filmes da sessão Cine-Escola ficarão disponíveis para acesso até sexta-feira, dia 11/9. Com isso, educadores terão mais tempo para trabalhar os filmes com seus alunos.

E ainda dá tempo de participar, por meio do site oficial da CineOP, da intensa programação de lives do dia. Ou seja, tem debates, apresentação de projetos educativos audiovisuais, uma masterclass internacional, um estudo de caso, uma roda de conversa e um show inédito com um dos maiores nomes da música mineira, Lô Borges.

A 15a CineOP termina, mas ainda será possível conhecer o conteúdo e as informações produzidas no evento. Inclusive, os debates, as rodas de conversa, as masterclasses internacionais, as apresentações de projetos educativos audiovisuais e as live shows continuarão disponíveis no YouTube da Universo Produção.

LÔ BORGES TRIO

Para encerrar a programação da 15ª CineOP em grande estilo, a partir das 21 horas, o Sesc Cine Live Show será palco de “Nada será como antes”, apresentação inédita de Lô Borges em sua formação de Trio. Este show muito especial presta homenagem a Bituca (Milton Nascimento), grande amigo e parceiro de longa estrada. Um tributo ao encontro que lançou as sementes do Clube da Esquina.

O show conta com canções icônicas criadas em parceria pelos dois artistas. Por exemplo, “Clube da Esquina” e “Clube da Esquina nº 2”. Além disso, Lô Borges (voz e violão) interpreta sucessos de sua própria autoria, como “Para Lennon e McCartney”, “Tudo Que Você Podia Ser” e “Quem sabe isso quer dizer amor”. Ainda por cima, canções marcantes como “Nada será como antes” , clássico do álbum “Clube da Esquina” de 1972. Lô Borges divide o palco com Henrique Matheus (guitarra e vocais) e um convidado muito especial: o irmão Telo Borges (teclados e voz).

O Grande Teatro do Sesc Palladium é o cenário das lives shows gratuitas. A apresentação estará disponível para todos através do site do evento www.cineop.com.br. E também pelos canais do Youtube da Universo Produção e do Sesc em Minas. A live é solidária e o público pode ajudar doando para o programa Mesa Brasil Sesc.

FILMES EM PRÉ-ESTREIA 

No último dia da programação da CineOP, a equipe curatorial da 15ª CineOP destaca pré-estreias de longas-metragens realizados com arquivos de imagem, que expressam um redimensionamento entre os cineastas da discussão sobre arquivo e preservação.

Na Mostra Contemporânea“O Filme da Minha Vida”, de Alvarina Souza Silva, é um exemplar dos mais agudos sobre a condição e fragilidade do cinema brasileiro. O documentário é uma rememoração digressiva sobre o filme original da diretora (que leva o mesmo título) realizado, e não concluído, em 1990, quando do fechamento da Embrafilme.

Já o documentário “A Jangada de Welles”, de Firmino Holanda e Petrus Cariry, tem como ponto de partida um dos filmes mais famosos a ter sua produção interrompida no Brasil. A saber, o longa constrói o contexto e se utiliza de entrevistas e imagens de arquivo para revelar o episódio da morte do jangadeiro Manuel Jacaré. Ele foi tragado pelo mar durante as filmagens de “It’s All True”, de Orson Welles. Além disso, tem uma pré-estreia na 15a CineOP: o filme “José Aparecido de Oliveira – o Maior Mineiro do Mundo”, de Mário Lúcio Brandão Filho e Gustavo Brandão.

EDUCAÇÃO E PRESERVAÇÃO

Aliás, no encerramento do Encontro da Educação, na segunda-feira, às 10 horas, teremos a presença da cineasta e montadora Cristina Amaral |SP e da professora Licinia Correa|MG, para o tradicional debate “Um Plano de Cinema, Um Plano de Aula”. A proposta é aproximar as perspectivas de Cristina como cineasta e de Nilma como educadora. O diálogo e as relações devem surgir a partir de um plano de cinema, escolhido por Cristina Amaral. A partir do contato com esse material, abre-se uma brecha criativa de produção de conhecimento sensível e colaborativo entre as duas convidadas. A mediação será de César Guimarães – professor UFMG |MG.

Em seguida, às 12 horas, o público poderá conhecer o case de restauro do filme “Pixote, A Lei do mais fraco”. O longa-metragem está em exibição na Mostra Preservação. Para apresentar o estudo de caso da restauração da obra de Hector Babenco, participam do debate José Luiz Sasso – sound designer |SPMyra Babenco – sócia diretora da produtora HB Filmes |SP; Patrícia De Filippi – restauradora |SP e Roberto Gervitz – cineasta |SP. Por fim, o mediador será Marco Dreer – consultor da COC/Fiocruz |RJ.

Masterclass

Posteriormente, às 14 horas, pelo Encontro da Educação, será realizada a Sessão 3 de Projetos Audiovisuais Educativos. Serão apresentados Projetos Audiovisuais Educativos que trabalham colaborativamente com a produção audiovisual em (possíveis) ambientes escolares durante a quarentena. Esta terceira sessão conta com projetos dos estados de Goiás, Minas Gerais e São Paulo e terá a mediação de Ally Collaço |SC e Ana Bárbara Ramos |PB – coordenadoras da Rede Kino.

Além disso, pelo Encontro de Arquivos, a CineOP promove a última Masterclass Internacional desta edição do evento. Essa abordará a expansão do Museo Del Cine Pablo Ducrós HickenPaula Félix Didier – diretora do Museo del Cine Pablo Ducrós Hicken, em Buenos Aires|Argentina, apresenta as perspectivas da instituição, uma referência importante para o campo do patrimônio audiovisual. A expansão da instituição com o novo prédio em construção para armazenamento e processamento técnico do acervo audiovisual e o trabalho técnico envolvido. Enfim, a mediação será de Ines Aisengart Menezes – curadora Temática Preservação |SP.

Cinemateca Brasileira

Em seguida, às 16 horas, o Encontro de Arquivos realiza debate com o tema “Instituições de Patrimônio em Risco: Caso Cinemateca Brasileira”. A Cinemateca Brasileira possui o maior acervo audiovisual da América do Sul, preservando a história e identidade brasileira. Desde sua criação, há 74 anos, ela tem enfrentado dificuldades de diferentes proporções, refletidas em quatro incêndios, sendo o último em 2016.

A saber, a crise atual é considerada a pior. Não há repasse do governo federal em decorrência de um imbróglio administrativo. Então, ocorre a suspensão de serviços essenciais, ausência de pagamento de salários à sua equipe técnica há cinco meses e a consequente ameaça ao acervo. O desmonte e descaso do governo federal colocam em risco o patrimônio público. Sobretudo, a própria existência da instituição. Participam da discussão Carlos Augusto Calil – cineasta e ex-diretor executivo da Cinemateca Brasileira |SP; Débora Butruce – preservadora audiovisual e vice-presidente da ABPA |SP e Fabiana Ferreira – Instituto Brasileiro de Museus / Ministério do Turismo |DF. A mediadora será Eloá Chouzal – pesquisadora audiovisual e de conteúdo |SP.

Encontro de Cinema

Posteriormente, às 18 horas, será realizado o Encontro de Cinema com o tema “A Preservação sob a ótica da fotografia no cinema”. A Roda de Conversa contará com a participação de Lauro Escorel |RJ, um dos mais notáveis e atuantes diretores de fotografia do cinema brasileiro. A carreira de Escorel é extensa e prestigiada, incluindo obras como “São Bernardo” (1971, de Leon Hirszman), “Mar de Rosas” (1977, de Ana Carolina), “Bye bye Brasil” (1979, de Cacá Diegues), “Eles não usam black tie” (1981, de Hirszman) e “Uma vida em segredo” (2003, de Suzana Amaral). Sua importância para o cinema também se dá pela direção, seu filme mais recente Fotografação” (leia a critica do Vivente Andante) está em destaque nesta edição da CineOP.

Lauro Escorel atuou também como supervisor técnico em diversos projetos de restauração. Destaque para as obras de Leon Hirszman e de “Cabra marcado para morrer”, de Eduardo Coutinho. Escorel possui um rara sensibilidade à questão da preservação. Neste Encontro de Cinema, Escorel poderá compartilhar algumas reflexões sobre a sua experiência no cinema, contemplando a importância da preservação e das instituições de patrimônio audiovisual. A mediação será de José Quental – curador Temática Preservação |RJ.

Em seguida, às 20 horas, tem o Encerramento das atividades do 15º Seminário do Cinema Brasileiro. Fatos e Memória, do 15º Encontro Nacional de Arquivos e do Encontro da Educação: XII Fórum da Rede Kino conclui os encontros e reflexões da 15a CineOP.

Afinal, confira tudo em: www.cineop.com.br / www.universoproducao.com.br

Inclusive, mais informações pelo telefone: (31) 3282-2366

Além disso, veja o curta-metragem “Na Beira”:

Escreve o que achou!