Saturday, October 23, 2021

Névoa de Paula Albuquerque

Névoa

Contemplava o sonho de um riacho
Enquanto estava à beira
dos fantasmas do fim do mundo
Inconscientemente perdida
Tal qual metáfora que floresce
Ao espaço difuso das brumas
Reparei o dia rente ao meu corpo
Infinito como um céu de agora
Em plena terra

Havia portas para as palavras
Mas, com o passo semicorrido
Os olhos semicerrados
O fluxo incontido na vertigem
Partia qualquer resquício de grades
Se eu pudesse tecer
Teceria o sopro e o fincaria
Em algum desvão infinito
Mas são apenas palavras
Também sou envolta de ideias
Resultado do breu que sou

Ademais de Névoa, veja mais:

Conheça o primeiro concurso de Poesia Franciscana
Alec Silva fala de Sertãopunk | “É bonito falar sobre nordestino no papel, mas dar espaço é outra conversa”
Projeto Sinto e Digo realiza sarau virtual

Escreve o que achou!