Grand Army | Nós somos jovens, jovens, o exército da polêmica

Em Grand Army, eles são jovens, adolescentes, estudam na mesma escola, são descolados e estão em busca de suas personalidades. Porém, também querem conquistar seus espaços e, principalmente, o direito de serem ouvidos. Parece que a liberdade é algo que falta em todo momento, por isso, de forma incansável insistem em buscá-la.

A série Grand Army apresenta questões vividas por jovens no que se refere a sexo, auto-aceitação e autoconhecimento. Vai desde as descobertas das habilidades pessoais a oportunidade de construir
relacionamentos. Fala de educação e algumas questões sociais com seus posicionamentos ou questionamentos do certo ou errado. Enfim, uma série bem polêmica e digna de um olhar mais atento.

Entretanto, particularmente, não achei muito atrativa, por conter cenas vulgares, inadequadas e inapropriadas, algo que choca já de cara. Apesar disso, sugere ao público a percepção de alguns comportamentos e como poderiam lidar com eles. Uma forma de exemplificar ou externar problemas com intuito de gerar ou pensar soluções.

Sexo e racismo

A primeira temporada de Grand Army é composta por 9 episódios. Nela se vê um leve protagonismo, porém em alguns momentos ele é compartilhado entre outros alunos do Colégio Grand Army, onde cada um apresenta sua temática ou questão social. Aborda questões tão diversas como racismo, sexo, feminilidade, masculinidade, crises existenciais, de personalidade e identidade. Alguns assuntos relevantes surgem como abuso sexual e moral, drogas, religião, dentre outros.

Inicialmente, vi como um apelo ao absurdo! Grandes ferramentas cinematográficas nas mãos, mas sendo utilizada de forma inapropriada, exageraram em algumas cenas com imagens que poderiam ser substituídas por texto. O descaso ao espectador está na tela e quiseram chamar de arte sem questionar se você toparia assistir absurdos, já que tem momentos que não estamos prontos ou querendo absorver determinados assuntos.

Grand Army possui autoria e direção de Katie Cappiello. O elenco traz Odessa Adlon, Odley Jean, Amir Bageria, Maliq Johnson, Alphonso Romero, Thelonius Serrell-Freed, Anthony Yppolito, Brian Altemus
Odley Jean, August Blanco, Jason Weinberg, David Iacono, dentre outros.

A série já se encontra disponível na Netflix, porém deve ser assistida com certo cuidado e atenção, pois pode conter algumas vozes que fazem parte do seu convívio, sendo que na prática, diretamente, essas palavras não são ditas.

Afinal, olha aí o trailer:

Ademais, leia mais:

Afronta! | Descolonize seu pensamento com essa série da Netflix
Black Earth Rising | Minissérie mostra conflitos sociais pós-genocídio em Ruanda
Oloture Por uma vida melhor | Quando uma jornalista vira garota de programa

Escreve o que achou!