Crítica | ‘Halloween Ends’ tem como maiores vítimas seus protagonistas

A promessa de um capítulo final para uma franquia de slashers é algo que gera muita expectativa, ainda mais quando aprendemos a torcer por uma protagonista que é uma verdadeira sobrevivente. Mas Halloween Ends tenta seguir dois caminhos incompatíveis ao mesmo tempo, esconde novamente sua protagonista e também o grande vilão da franquia.

Anos após seu último encontro com Michael Myers (James Jude Courtney), Laurie Strode (Jamie Lee Curtis) finalmente decide se libertar e abraçar a vida. No entanto, um assassinato local desencadeia uma cascata de violência e terror, forçando-a a enfrentar o mal que ela não pode controlar.

O reboot da franquia

Halloween de 2018, ignora as sequências anteriores e segue a história 40 anos após o filme original. Ele e Halloween Kills constroem um bom caminho para a saga, colocando Michael Myers como uma encarnação do mal, e que por isso não morria, além de mostrar o efeito de sua presença na cidade de Haddonfield. São conceitos muito bons que se repetem no novo filme, e o melhor certamente é ver o povo se tornando mais cruel com o próximo por culpa desse mal.

Mas o roteiro e a direção de David Gordon Green se atrapalham na hora de dar um fim para essas ideias. Ele tenta criar um novo assassino ao mesmo tempo quer finalizar tudo. Isso tira um tempo de tela enorme da Laurie e sua neta Allyson (Andi Matichak), para apresentar Corey Cunningham (Rohan Campbell), o aprendiz de slasher.

Sensei Michael Myers

Desde o filme original a “pegada” mais impactante de Myers são suas aparições vigiando suas vítimas, e claro, sua criatividade em posicionar corpos. No novo filme ele demora muito para aparecer e logo vira tutor do vingativo aborrecente Corey. Logo onde esperávamos uma contagem de corpos no mínimo semelhante a de Halloween Kills, para que Laurie pudesse nos entregar toda a satisfação de acabar com esse mal, ele divide vítimas com um garoto inexperiente.

Isso tudo já é bem desanimador, mas nada é menos impactante que o final definitivo de Myers. A catarse não vem. Depois de ser incapacitado após ficar preso por uma geladeira, as protagonistas decidem dar o final derradeiro diante da cidade inteira, e acaba sendo menos interessante que ver sua vitamina sendo batida no liquidificador. E o aprendiz de slasher? Terão que forçar muito a barra para fazer uma sequência com ele, com qualquer um na verdade, esse filme vitimou a franquia.

Por fim, Halloween Ends está nos cinemas, fique com o trailer:

Ademais, veja mais:

Crítica | O clube dos anjos

Mais do uma biografia, ‘Otto: de trás p/ diante’ fala sobre paixão por Literatura

Crítica | Floresta Vermelho Escuro: Monjas Budistas no Tibet

 

Escreve o que achou!