Monday, November 28, 2022

Crítica | Mais do que uma biografia, ‘Otto: de trás p/ diante’ fala sobre paixão por Literatura

O documentário sobre Otto Lara Resende, em cartaz no Festival do Rio, é um filme para as novas gerações conhecerem o autor e jornalista, falecido em 1992. Mas é, principalmente, um filme para escritores. Por quê? Porque todos os escritores vão se identificar pelo amor que Resende tinha pelas palavras e pela Literatura. Isso é algo muito visível em todas as falas do jornalista Humberto Werneck sobre o escritor, contudo, também presente nas cartas apresentadas durante os 77 minutos de Otto: de trás p/ diante, escritas por Otto Lara Resende. A preciosidade e preocupação em cada vírgula escolhida, até em simples notas e bilhetes para familiares – ou para si mesmo – são detalhes que todo escritor pode se relacionar.

Um documentário diferente e criativo

Os diretores Helena Lara Resende, filha caçula de Otto com Helena Pinheiro de Lara Resende, e Marcos Ribeiro escolhem apresentar o laureado escritor de diversas formas. A nível de curiosidade, a viúva do escritor estava presente na sessão em que o Vivente Andante compareceu e foi aplaudida por vários minutos.

Logo de início, o espectador é agraciado por um trecho de um programa em que Otto está presente e que conta, também, com outros escritores e amigos de Resende. Trechos desse programa, com clima informal, são mostrados diversas vezes e pode-se ver o próprio Otto falando um pouco de si.

Porém, o mais cativante do documentário é quando suas cartas falam por si. Em bilhetes e cartinhas escritas para a esposa e a filha, ou em cartas maiores para seus amigos, é ali que é possível enxergar o verdadeiro Otto Resende de Lara. E é ali que o espectador consegue encontrar maior conexão com o autor: nos bilhetes do cotidiano que, apesar de serem do dia a dia, não são nem um pouco comuns. E são neles, como dito antes, que é possível enxergar o verdadeiro amor de Otto pela escrita.

Se o espectador não conseguiu captar essa vertente do autor, Humberto Werneck deixa bastante nítido em uma de suas falas, quando diz que Otto tinha um verdadeiro dom de melhorar a escrita de qualquer pessoa. E o fazia sem ego nenhum ou sem tom professoral, mas porque, para ele, era impossível não fazê-lo. Afinal, essa era sua paixão. Como o próprio diz, era difícil conviver com a escrita e a necessidade de escrever, mas era ainda mais difícil viver sem ela.

Alguns contratempos

Outra escolha dos diretores foi ter atores lendo alguns de seus textos durante todo o documentário. Rodolfo Vaz lê trechos dos livros “Três Ottos por Otto Lara Resende” e “O príncipe e o Sabiá – e Outros perfis”. Já a atriz Júlia Lemmertz lê trechos de “Boca do inferno”, “O retrato na gaveta”, “O braço direito” e “As pompas no mundo”. Apesar de ser um recurso criativo para um documentário, principalmente se tratando de uma biografia sobre um escritor, por vezes se torna um pouco cansativo.

Nas primeiras leituras, o espectador se empolga e se encanta com a forma de escrita de Otto. Porém, com a repetição amiúde, se torna um pouco exaustivo e pode tirar um pouco a atenção do espectador. O recurso corta um pouco o ritmo do documentário, principalmente quando aparece em uma das falas do jornalista Humberto Werneck ou repete algo já dito anteriormente.

Contudo, no geral, é um filme que envolve e que aumenta ainda mais o amor à Literatura para os que já o têm. E é muito possível que crie essa fagulha de interesse aos que ainda não foram fisgados pelo bichinho da leitura e da escrita.

Otto

Otto Lara Resende foi escritor e jornalista. Nasceu e cresceu em São João Del Rei, em Minas Gerais, e aos 18 anos começou a trabalhar em Belo Horizonte, como jornalista. Também escreveu para os jornais O Globo, Diário Carioca, Correio da Manhã, Última Hora, Revista Manchete e Jornal do Brasil. Como autor, publicou os livros O lado humano, Boca do inferno, O braço direito, entre outros. Escreveu também “A cilada”, conto sobre a avareza, no livro “Os sete pecados capitais”, publicado pela Editora Civilização Brasileira, e do qual participaram também Guimarães Rosa, Mário Donato e Carlos Heitor Cony, entre outros. Em 1979, foi eleito membro da Academia Brasileira de Letras.

Serviço

Otto: de trás p/ diante

Brasil, 2022

Documentário, 77 minutos

Direção: Helena Lara Resende e Marcos Ribeiro

Próxima sessão:

Quarta, 12/10 – 21:45 Estação NET Rio 5

Ademais, veja mais:

Festival do Rio 2022 traz vários documentários sobre artistas nacionais e internacionais

Festival do Rio | Pré-estreia de Império da luz e abertura do festival

Crítica | ‘Cesária Évora’ evoca saudade no Festival do Rio

6 Comments

Escreve o que achou!