Monday, September 20, 2021

O Tigre Branco | Netflix mostra uma Índia diferente dos estúdios de yoga

“O Tigre Branco” (The White Tiger) é mais uma viagem pela Índia, mas num outro lado, entre as luzes e as trevas da realidade. O filme já começa bem e traz ensinamentos e reflexões sobre a cultura indiana, incluindo o grande número de deuses que possuem. O protagonista-narrador, Balram (Adarsh Gourav, muito bem), vai trazendo diversas críticas sobre seu país e conecta a história de sua vida com a da Índia. Um pobre de casta baixa que quer mais e consegue virar motorista de gente rica na busca de subir as escadas da prosperidade.

A direção é eficiente, enquanto a fotografia tem um ar soturno, melancólico. É uma Índia bem diferente do colorido dos estúdios de yoga. Aqui, o cinza predomina e a pobreza e a violência dominam. A vida de um criado, de um serviçal não permite muitos prazeres e isso é cultural.

As atuações são ótimas e, dos filmes indianos que já vi, esse talvez seja o melhor na concepção cinematográfica. Mas não se atenha a um “bom filme indiano”, pois é cinema de qualidade. A complexidade do personagem principal é deveras interessante em seu caminho até o inferno. Há cenas emblemáticas como aquela em que ele escova os dentes tentando apagar o passado. Não, Balram, não é possível apagar o passado. O diretor Ramin Bahrani usa os closes com consciência e chega a usar a quebra da quarta parede em momento crucial na vida do protagonista, para elevar o drama e e exaltar aquela virada.

“O Tigre Branco” prende, entretém e provoca o espectador dentro da Índia discrepante e enlouquecedora, berço de humilhações e pecados.

Enfim, veja o trailer:

Ademais, leia mais:
Aliás, tem ‘O Carteiro das Montanhas’ e o ciclo verde da vida
‘O Grande 14’ traz Dalai Lama por ele mesmo | The Great 14th Tenzin Gyatzo
Enfim: Quatro Histórias de Pecado | Retratos sombrios da cultura indiana na Netflix

3 Comments

Escreve o que achou!

%d blogueiros gostam disto: