Saturday, December 3, 2022

Crítica | ‘Paterno’, com grande atuação de Marco Ricca, aborda masculinidade tóxica

Para realizar seu edifício mais ambicioso, Sérgio (Marco Ricca), um arquiteto de 55 anos, precisa tomar o poder da empreiteira da família com um plano que depende da herança do seu pai Heitor, em estado terminal. No entanto, Sérgio descobre um segredo guardado há muito tempo por seu genitor.

Numa grande atuação de Marco Ricca, o protagonista começa uma busca obsessiva e reveladora do passado de seu pai. Paterno é um filme sobre dilemas familiares e profissionais e um estudo sobre como a masculinidade pode ser tóxica. Tudo isso num contexto corrompido por especulações imobiliárias da cidade do Recife.

O filme é denso, pesado, e até cansativo, mas tudo isso serve para mostrar a solidão de Sérgio, perdido entre o que realmente deseja e suas responsabilidades familiares. Ele tenta escapar, mas cada vez se emburaca mais.

Aliás, confira abaixo a conversa que tivemos com Marco Ricca durante o Festival do Rio 2022:

Por fim, filmado na cidade de Recife, Paterno teve fomento da Secretaria Especial de Cultura, através da Ancine/FSA/BRDE, incentivo do Funcultura Fundarpe, da
Secretaria de Cultura do Governo de Pernambuco e do Aide aux Cinémas du
Monde, do Centre National du Cinéma et de l’Image Animée e Institut Français,
além de ser projeto participante de vários laboratórios no Brasil e na França.

Ademais, veja mais:

Crítica | O clube dos anjos

Crítica | Mais do uma biografia, ‘Otto: de trás p/ diante’ fala sobre paixão por Literatura

Crítica | Floresta Vermelho Escuro: Monjas Budistas no Tibet

2 Comments

  • Livia Brazil

    Quero muito assistir Paterno! Marco Ricca sempre arrasa. Adorei a conversa com ele. E quero muito ver Clube dos anjos também! Tem o Augusto Madeira também, que eu amo!

    Responder
  • Alvaro Tallarico

    Aliás, Augusto Madeira está ótimo também no Clube dos Anjos!

    Responder

Escreve o que achou!