Saturday, September 18, 2021

Crônica | Araquém Alcântara e a poesia em imagens

Era um dia na casa de uma amiga, uma artista multifacetada, fã de fotografia, quando encontrei em sua estante, um livro. “Coleção Ipsis de Fotografia Brasileira – Araquém Alcântara” era o título da obra. Primeira edição de julho de 2013. Li a introdução e fui ficando embasbacado a medida em que virava as páginas.

Essa coleção foi criada em 2013 com o objetivo de homenagear a produção nacional de fotografia em livros de qualidade e preço acessível. Eu não conhecia. Então fui pesquisar e descobri que Araquém Alcântara, Nelson Kon e Cristiano Mascaro e Thomaz Farkas compõem os 4 primeiros volumes.

Apaixonei nas fotos em preto e branco de Araquém. Já havia ouvido falar e visto algumas de suas obras pela via e internet, mas ver nesse livro uma sequência de imagens, de indígenas, vaqueiros, animais, paisagens, passando por todo o Brasil, em cenas extremamente poéticas, foi inspirador.

Araquém Alcântara, atualmente com 62 anos, é considerado um dos precursores da fotografia de natureza no Brasil e um dos mais importantes fotógrafos do país. Desde o ano de 1970, seu foco é na Documentação da Natureza e do povo brasileiro. Ele ganhou diversos prêmios com sua arte ao redor do mundo.

Afinal, o fotógrafo me deixou apaixonado nesse livro, com seu olhar afinado e capacidade de utilizar a luz com tamanha eficácia artística que só me restou ficar apreciando e louvando sua arte. De tanta poesia em imagens fiquei até com vontade de escrever poesias, ou, no mínimo, uma crônica.

Uma das graças das artes é provocar nossos sentidos e plantar sementes para novas criações, como uma bola de neve que começa mínima e vai crescendo, unindo pedaços e mais pedaços.

Ficha Técnica

Volume inaugural: Araquém Alcântara
Realização: Ipsis Gráfica e Editora
Curadoria: Eder Chiodetto
Projeto Gráfico: Fernando Moser
Formato: 144×166 / 220 páginas / capa dura
Impressão no processo Ipsis FullBlack®

Ademais, leia mais:

Fotografação | CRÍTICA
Aliás, conheça um fotógrafo e seu Rio de Janeiro
Enfim, a fotografia e a alucinação do artista

Escreve o que achou!