Tuesday, December 1, 2020

Gota de Insônia | Leia a poesia de Paula Albuquerque

Quase podia tocar o corpo da chuva
Como se fosse um resquício
De infinito
Talvez um beijo sereno
Por entre as lacunas da noite
Cada pequena gota era um gesto
Um toque mesmo pelas frestas
Das carnes das nuvens que tangem
O instante
E então o clarão dessa sinfonia

– gota por gota-
A reger o marulho das horas

-Horas em que te navego-
Ouço o longínquo sussurro

Do teu sono em silêncio
Insônia.

 

Ademais, vá além disso e leia mais:

Inclusive, siga mergulhando no canto em Tempos de Reclusão
Clausura | Aliás, leia o poema de Paula Albuquerque no miolo do mundo
Asfixia | Então, poesia sem respiro

Escreve o que achou!