Wednesday, February 19, 2020

Cantora Mayra Itaborahy | “Arte é exteriorizar o que de bonito tem na sua alma”

Mayra Itaborahy é cantora e também advogada de direitos autorais. Está com seu novo show “Receita para falar de Amor e Polêmica” e deu entrevista para o Vivente Andante. Primeiramente ela cresceu ouvindo histórias musicais que passavam por seu bisavô,  o qual foi professor de música de Ary Barroso, o avô radialista e músico, até seu pai, Cezar, um de seus grandes parceiros de composições. Agora, Mayra começa uma nova fase com o lançamento do single “Nossos Mil Volts” e a estreia do show “Receita pra falar de Amor e Polêmica”. A saber, o show será no dia 23/01 (quinta-feira), na Casa de Luzia, na Lapa (RJ).

“Temos amor e polêmicas em todos os momentos da nossa vida. Vamos ver se vocês identificam no repertório”, desafia Mayra.

Homenagem ao namorado

A nova música foi criada para o namorado e baixista Daniel Martins, que assinou o arranjo. “Fiz pensando em um chalé que costumamos ir, em Araras. Compus no violão, mas depois que duas amigas que tocam ukulele me pediram a cifra, saquei que a canção tinha essa pegada mais moderna e que o instrumento caberia lindamente”, contou ela.

Amor e Polêmica no show

O repertório do show conta com músicas inéditas que falam sobre amor (“Nossos mil Volts”, “Caribenha” e “Te tatuei em Braile”), empoderamento feminino (“Quem ela Quer” e “Braços de Morpheu”), política (“Depois não Reclama”, “50 anos atrás”) e até gastronomia, como “Torta Capixaba”.

Além destas autorais, Mayra apresentará releituras de canções que fazem parte do seu universo musical, como “Apenas um Rapaz Latino Americano” (Belchior), “El Cuarto de Tula” (Buena Vista Social Club), “Apesar de Você” (Chico Buarque), “Chiclete com Banana” (Almira e Gordurinha, por Jackson do Pandeiro), “Tatuagem” (Nelson Cavaquinho) e “Is this Love” (Bob Marley).

Os arranjos das canções foram criados com sua banda, formada por: Daniel Martins (baixo e guitarra, já acompanhou nomes como Lobão, Danni Carlos e Tony Platão); Diogo Martins (violão e guitarra – tocou com Roberto Menescal, Milton Nascimento e Leandro Braga) e Davidson Ilarindo  (Bateria – Papo de Mallandro, Luciane Dom, Empolga às Nove e Candybloco).

A carreira

Mayra Itaborahy tem influências de compositores diversos como os clássicos Noel Rosa, Assis Valente, Cartola e Nelson Cavaquinho. Contudo, não esquece os contemporâneos como Chico Buarque, João Bosco, Tom Jobim, Paulinho da Viola, Guinga, Paulo Cesar Pinheiro, Aldir Blanc, Jorge Simas, Paulo Cesar Feital, e vários outros.

Aliás, em seu disco de estreia, “Quem Convidou”, a artista percorreu estilos como samba, choro, xote, fox e bolero. Das 11 músicas, 10 são autorais, sendo algumas em parceria. O álbum foi lançado em junho de 2016, com show na sala Baden Powell, no Rio de Janeiro. Em 2019, Mayra lançou a música “Meus Setenta Anos”, em parceria com o pai, Cezar Itaborahy, e o amigo Tarcísio Faustini, em homenagem à melhor idade. Neste mesmo ano, lançou seu último single “Nossos Mil Volts”. Todavia, em 2020, Mayra prepara o lançamento de uma série de singles novos e seu segundo álbum.

Por fim, Mayra já participou de festivais como o Festival Nacional da Canção, em Minas Gerais, e os Festivais de Música das Rádios EBC (Rádio Nacional Rio e MEC). Inclusive, atuou também no espetáculo “Tem Malandragem na Lapa”, uma adaptação livre de “Ópera do Malandro”. Frequentemente a artista se apresenta em shows autorais e rodas de samba pelo Brasil. Além disso, também comanda o grupo Sambalá, na voz e violão.

Serviço:

Show de Mayra Itaborahy – “Receita pra falar de Amor e Polêmica”

Data: 23/01 – Quinta-feira

Local: Casa de Luzia – Rua Evaristo da Veiga, 149, Lapa. Rio de Janeiro.

Preços: R$ 25,00 (inteira) e R$ 15,00 (lista amiga no Facebook).

Link do evento: https://www.facebook.com/events/511599096145578/

Créditos do Podcast:

Apresentação e Roteiro: Alvaro Tallarico /// Foto: Alvaro Tallarico /// Edição: Rico Moraes /// Música de abertura e fechamento: 2 na praça – Da Praça ///

Ademais, leia mais:
Grupo Filhos de Sá | “A persistência acompanha os valentes”
Rapper Negra Jaque | “Rap é mão preta de interferência na sociedade”
Dançarina Ana Catão | “Nossa missão é trazer essa história que foi varrida para debaixo do tapete”
Anúncios
Show More

Escreve o que achou!

Instagram