Museu da Maré traz ações culturais gratuitas e inéditas. Confira!

A esperança pode não vir do mar, nem das antenas de TV, mas os moradores do Complexo de Favelas da Maré a têm certa entre si. É lá, no chamado chão mareense, que projetos culturais têm pipocado em meio à pandemia proporcionando aprendizado, crescimento, evidência profissional e geração de renda. Realizados pela Corbelino Cultural através de incentivos da Lei Aldir Blanc, os primeiros dias de 2021 já contabilizam três projetos: “QUE BOCA NA CENA?”, “CINE COLETIVONA” e “OBRAS EM COMPANHIA”, todos com realização através do canal oficial do YouTube do Museu da Maré – https://www.youtube.com/c/MuseudaMaré .

“Os projetos se articulam em parcerias para expandir os profissionais alcançados por esta ajuda emergencial e também partilhar conhecimentos que podem ampliar tanto a estética de nossas obras artísticas, como o campo de trabalho com causador de encontros e conversa nas plataformas virtuais. A partir deste edital emergencial pensamos num movimento importante: abrir frestas de remuneração financeira em tempos pandêmicos”, pondera Natasha Corbelino, idealizadora dos três projetos pela Corbelino Cultural, onde os desenvolveu prevendo a circulação de obras e a circulação financeira entre o maior número de pessoas.

Renda para artistas

Elaborado para gerar renda para artistas e trabalhadores da cultura, a Edição Maré do evento “Que Boca Na Cena?” se instaurou como prática antirracista, selecionando artistas negros independentes na região através de convocatória pública. Deste modo, descentralizou a cena artística do lugar comum já pavimentado pelas curadorias das ações e equipamentos culturais hegemônicos.

Dia 31 de Janeiro, a ação Coletivona lança às 17h o Cine Coletivona, seu novo braço artístico e social. Como abertura da primeira fase do novo projeto, que tem como tema Origens e Novos Caminhos, realiza a exibição do documentário “SEMENTES: MULHERES PRETAS NO PODER”, de Éthel Oliveira e Júlia Mariano, seguido de debate com a diretora Andrea Cals. O filme acompanha o levante de Mônica Francisco, Rose Cipriano, Renata Souza, Jaqueline de Jesus, Tainá de Paula e Talíria Petrone, mulheres negras da política, após o assassinato da vereadora Marielle Franco, em 2018.

Circulando, circulando…

“Desejamos que seja um festival sobre fazer circular ideias, cultura, formação de repertório e linguagem sobre o território, tendo a cena digital como pulsão de vida gerando breves salves financeiros para mais pessoas agora”, complementa Natasha sobre a segunda fase do projeto, também online, prevista para março. Nela, haverá uma convocatória para que moradoras da Maré produzam seus próprios filmes de celular e /ou Zoom a partir do eixo curatorial. Como resultado, 40 microfilmes de até 3 minutos serão exibidos durante a programação online, e cada um deles receberá uma ajuda emergencial de R$ 400.

Por fim, como uma mostra geradora de conversas em torno de peças de Vinicius Arneiro, um dos mais reconhecidos diretores de sua geração, “Obras Em Companhia” apresenta de 02 a 06 de Fevereiro um repertório de peças que trazem a assinatura do artista: “A PALAVRA SOPRADA”, “COLÔNIA” e “ROSE”. “O Museu da Maré, sem dúvida, é um projeto-modelo de como alinhar mobilização social, memória, construção do presente e invenção de futuro nas comunidades faveladas da Maré. Quando penso que o Obras é aliado a projetos como o Museu da Maré, o Centro de Estudos e Ações Solidárias da Maré (CEASM) e o Entre Lugares, penso que tenho mesmo muito a aprender e que há muito ainda por ser feito”, finaliza Arneiro.

Serviço:

ONDE:

YouTube do Museu da Maré – https://www.youtube.com/c/MuseudaMaré

QUANDO:

→ 31 DE JANEIRO

Horário: 17h

CINE COLETIVONA

“Sementes: Mulheres Pretas no Poder”

Direção: Éthel Oliveira e Júlia Mariano

Brasil, 2020, 105′

Classificação indicativa – 14 anos

→ 02, 03 e 04 de FEVEREIRO

Horário: 17h

Sessões da peça transmitidas ao vivo online em parceria com bibliotecas da rede da Secretaria Municipal de Cultura.

“A PALAVRA SOPRADA”

Escrita e encenada por Vinicius Arneiro, o espetáculo é uma leitura-performance para ser especialmente ouvida. Ao eleger como ponto de partida a linguagem, o artista propõe ponderações sobre algumas variáveis da convivialidade humana e aborda o gesto da fala e da escrita como tecnologias, instrumentos primordiais na construção/negociação entre modos e mundos — numa força contrária à barbárie. Classificação Etária: 14 anos

→ 05 de FEVEREIRO

Horário: 17h

Exibição da peça online seguida de conversa com equipe de criação mediada pela artista Eleonora Fabião, em encontro com o grupo de teatro Entre Lugares (Maré) e o Centro de Estudos e Ações Solidárias da Maré (CEASM).

“COLÔNIA”

Com dramaturgia de Gustavo Colombini e direção de Vinicius Arneiro, a peça conferência idealizada pelo ator Renato Livera foi indicada ao prêmio APCA de Dramaturgia e foi destaque nos festivais internacionais como o FITEI, Festival de Curitiba, MIT SP, MIRADA, recebendo críticas de importantes jornais mundiais, como o britânico The Guardian, o brasileiro Folha de São Paulo e o Jornal de Notícias, de Portugal.

Classificação Etária: 14 anos

→ 06 de FEVEREIRO

Horário: 17h

Leitura da peça online seguida de conversa com equipe de criação mediada por Cláudia Rose, diretora do Museu da Maré, com fala convidada de Gizele Martins, jornalista e comunicadora comunitária mareense, em encontro com o grupo de teatro Entre Lugares (Maré) e o Centro de Estudos e Ações Solidárias da Maré (CEASM).

“ROSE”

Uma merendeira de escola pública é a protagonista: Rose, que também cozinha na casa de família rica nos fins de semana. Com dramaturgia de Cecilia Ripoll e direção de Vinicius Arneiro, tem no elenco Ângela Câmara, Joice Marino, Márcio Machado, Natasha Corbelino e Thiago Catarino. A montagem foi indicada ao Prêmio Shell de Teatro do Rio de Janeiro em 2018 na categoria Melhor Autor e sua dramaturgia foi editada pela Cobogó.

Classificação Etária: 12 anos

Ademais, veja mais:

‘Favela em mim’ é literatura ilustrada por verdade

Instrumental Brasileiras | Projeto promove mulheres na cena musical com oficinas gratuitas

Afinal, confira a voz feminina representada em 7 HQs

Escreve o que achou!