Monday, November 28, 2022

Tradutor de Silêncios | Espetáculo baseado em Mia Couto tem entrada franca

Em sua volta à cena teatral, após 35 anos, Selim Nigri apresenta “Tradutor de Silêncios”. A princípio, o espetáculo, com entrada franca, busca ampliar a construção do que o ator chama de Arquitetura Social, onde os espaços são abertos para facilitar a convivência e o diálogo.

“Tradutor de Silêncios” estreou em São Paulo em maio, com grande sucesso, e chega agora ao Rio de Janeiro, em duas únicas sessões no Midrash Centro Cultural, dias 30 e 31 de julho, com entrada franca.

“Tradutor de Silêncios” traz uma pequena coletânea de poemas e contos do autor moçambicano Mia Couto, expoente da literatura africana já traduzido para mais de 24 países em todo o mundo.

Acesso gratuito

“Tenho que agradecer à permissão do Mia para utilizar seus textos. A ideia de dar acesso gratuito ao espetáculo veio de encontro aos objetivos do autor que liberou a sua obra para este espetáculo ”, fala Selim Nigri.

Os contos são polêmicos e abordam temas contemporâneos, como as relações humanas, o racismo e o machismo. O desafio do roteiro coube ao ator e diretor Marco Miranda para que o texto trouxesse as reflexões com leveza e humor. A música é assinada por Bruno Gomes e o cenário e figurino coube ao amigo, desde os tempos de teatro, Augusto Pessôa.

“(Escre)ver-me

nunca escrevi

sou

apenas um tradutor de silêncios

a vida

tatuou-me nos olhos

janelas

em que me transcrevo e apago

sou

um soldado

que se apaixona

pelo inimigo que vai matar”

Mia Couto
escritor, poeta, jornalista e biólogo moçambicano

Serviço

Tradutor de Silêncios

Pequena coletânea de poemas e contos do autor moçambicano Mia Couto

Com: Selim Nigri

Roteiro e direção: Marco Miranda

Cenário e Figurino: Augusto Pessôa

Música: Bruno Gomes

Produção: Aline de Moraes

Dias e horários:

30 de julho, sábado, às 20h30

31 de julho, domingo, ás 17h.

Recomendação: 14 anos

Duração: 60 min

Entrada Franca

Reserve seu lugar com antecedência pelo Sympla.

Local: Midrash Barra

Rua Corrêa de Araújo, 220

Aliás, saiba mais sobre poesia:

Escreve o que achou!