Thursday, December 2, 2021

Crítica | ‘Break O Poder da Dança’ na Netflix

Break – O Poder da Dança é um filme francês, com direção de Marc Fouchard ( Les Frémissements du thé e Personnes). É de 2018, mas entrou recentemente na Netflix. A princípio, filmes de dança normalmente tem um arquétipo parecido, com os mesmo clichês e dramas.

Uma das coisas que me incomoda em filmes de dança é o estereótipo do dançarino começar a dançar do absoluto NADA como um dançarino profissional. De fato quando você ouve uma música e se empolga você acaba dançando, mas a forma como normalmente é retratado em filmes e séries é como se você fosse virar um super dançarino de uma hora para outra.

Ao filme

Após um acidente aéreo, Lucie (Sabrina Ouazani) se vê  tentando redescobrir sua dança quando conhece um dançarino de hip hop, Vincent (Kevin Mischel) e começa a conhecer seu mundo. Para as pessoas de fora eu entendo totalmente como o mundo do hip hop underground é louco, principalmente porque a França é um dos locais centrais do mundo em questão de danças urbanas e dança contemporânea.

A cena da Lucie tentando entrar na roda, e como o Vincent tenta empurrá-la foi exatamente como fiz com algumas das pessoas. Realmente a ideia do freestyle (improvisar) é algo que acho necessário para qualquer dançarino de qualquer modalidade.

Os pontos positivos e negativos de Break – O Poder da Dança

Mostraram um pouco da realidade de treino, de se machucar e de precisar de originalidade e ter responsabilidade. O ponto negativo é que NINGUÉM aprende a dançar a ponto de passar em uma audição em apenas três semanas. Claro que cada pessoa tem seu processo o que pode ser mais lento ou mais rápido, mas a vivência como o dançarino e a experiência são fundamentais pra sua expressão.  A dança é feita para expressar o que às vezes não conseguimos colocar em palavras, e para passar emoção, seja dor, medo, felicidade ou raiva. Trabalhar com a insegurança no filme também foi um fator muito positivo.

Eu normalmente tenho um pé atrás com filmes de dança, por serem bobos ou não refletirem parte da realidade da vida de um dançarino. Break – O Poder da Dança consegue ser mais que isso. Porém, não se anime tanto, pois não é um primor. A dança em si é bem fraca, a historia carrega um pouco nesses pontos de mostrar o freestyle e o estilo urbano de uma forma um pouco mais crua, mas não passa muito disso.

Se você é um dançarino ou entusiasta da dança, pode ter alguns ensinamentos legais no filme, e eles valem, mas como obra o filme em si não é muito bem feito, roteiro batido, ideia de criar um dançarino de forma rápida demais, romance clichê.

Se você não for, vá por sua conta e risco, pode adorar ou odiar, depende de quantas vezes você já viu historias parecidas como essa.

No mais, sigo na busca de um filme de dança com alma, que não seja documentário, mas que consiga passar um pouco do que vivemos e de como vivemos para as pessoas!

Aceito sugestões nos comentários.

Ademais, veja mais:

Trap de Cria | Documentário mergulha na cena trap carioca e dá voz às comunidades
No Dia Internacional da Dança, apenas dance | e leia
Dançarina Faby TiZee | “Você passa a enxergar todo o desempenho e técnica envolvida durante a apresentação”

5 Comments

  • Patricia Gonçalves
    Patricia Gonçalves

    Ai, eu adorei esse filme! Já vi muitos filmes nessa temática e poucos me fizeram gostar realmente do filme. Dessa categoria, gosto muito de No Balanço do Amor, Se Ela Danço, Eu Danço e Batalhas (que é o mais recente dos três nessa temática com a mesma fórmula). Também gosto de Vem Dançar, Flashdance e Dirty Dancing.

    Responder
    • Sérgio Menezes
      Sérgio Menezes

      Eu entendo, vários desses filmes tem coreografias e batalhas muito boas mesmo.
      A ideia seria realmente sair dessa fórmula já batida. <3
      vem dançar eu curto também.

      Responder
  • Julie
    Julie

    Eu queria saber o nome das última música!!!!!!

    Responder
  • sara
    sara

    na vdd acho que é essa?

    Responder

Escreve o que achou!

%d blogueiros gostam disto: