Thursday, December 8, 2022

Duelo no Asfalto | Netflix traz o ‘Velozes e Furiosos’ genérico

Convenhamos que, no Brasill, não temos muito costume de ver filmes da Noruega… Duelo no Asfalto (Børning 3) é uma tentativa de comédia com toques de drama. Tem boas tomadas do país nórdico como na belíssima e perigosa estrada onde ocorre a corrida inicial.  O diretor Hallvard Bræin consegue fazer bom proveito do local, e, claro, tem algumas cenas no estilo absurdo enquanto Roy Gundersen (Anders Baasmo Christiansen), a lenda das pistas de corrida norueguesas, quer casar.

O filme é mais interessante para quem gosta de carros e tem lá um certo tom de Velozes e Furiosos com suas disputas acirradas. Naquela pesquisa tradicional, descobri que é faz parte de uma sequência, ou seja, é exatamente o que parece, um Velozes e Furiosos genérico. O anterior tem o nome de Rápidos e Perigosos 2 (Børning 2), e é de 2016 e o primeiro foi Børning: Rápidos e Perigosos (2014).

A abertura com os créditos iniciais parece beber direto na fonte dos filmes de 007. Posteriormente, o longa segue num tipo de road trip até a Alemanha, nesse estilo de belos carros e piadas ruins. Tem um ar cafona no geral, entretanto, há algumas boas cenas de corrida como aquela entre os contêineres lá pela metade do filme.

Fiquei com vontade de rever o velho desenho animado da “Corrida Maluca” que tinha Dick Vigarista e tantos outros personagens carismáticos.

Por fim, Duelo no Asfalto é simplório em seu roteiro, somente sendo base para o atrativo dos belos carros e o humor nórdico. Tem cenas tão, mas tão absurdas, que chegam a ser divertidas.

Enfim, o trailer:

Ademais, veja mais:

Aliás, conheça A Incrível História da Ilha das Rosas na Netflix, vida real e a Ilha das Flores
Os Favoritos de Midas | Em seguida, uma história fechada e curta meio ‘Death Note’
Amor em Little Italy | Emma Roberts, pizza e amor na Netflix

Por fim, veja:

 

8 Comments

  • JONATAS STAHL DA SILVA
    JONATAS STAHL DA SILVA

    Filme bem ruim sem história sem conteúdo

    Responder
  • João Roberto
    João Roberto

    Gostei muito do filme (até porque não aprecio Velozes e Furiosos). Os diálogos são rápidos, tomadas de ação aceitáveis, paisagens deslumbrantes. É claro que o ponto alto do filme é o humor, e isso o filme cumpre muito bem o seu papel. O personagem caracterizado como Lemmy, o vocalista do Motorhead, é sensacional.

    Responder
  • Fabiano Santos
    Fabiano Santos

    Pelos carros, pelas paisagens, pelas cenas doidas de humor…
    Agora pelo roteiro “romântico” que foi o motivo da Crazy Trip da Noruega para a Alemanha… uma merda!
    Poderiam ser ´vários os motivos da corrida.

    Uma mulher fodástica no volante que desafia o campeão.
    O próprio Lemmy querendo vencer o Killer Chevelle.
    Um fuga de Lua de Mel com perseguição policial ao velho estilo Bandit do Burt Reinold.

    Enfim, o que faltou foi criatividade do roteirista que ao invés de pesquisar filmes de corrida, pesquisou novelas mexicanas e doramas coreanos.

    Responder

Escreve o que achou!