Wednesday, September 22, 2021

Crítica | ‘Free Guy – Assumindo o Controle’ traz Ryan Reynolds sendo Ryan Reynolds

“Free Guy – Assumindo o Controle” é um filme de Ryan Reynolds. Ou seja, é uma comédia. Se você acha graça nesse ator, vai rir. No geral, o longa tem diversos bons momentos. A história remete muito ao atual momento, com uma mistura de jogo e vida real e diversas mensagens implícitas sobre os tempos modernos. No caso aqui, “Free City” é um game de sucesso, como se fosse um Grand Theft Auto (GTA). Guy, personagem de Ryan Reynolds, é um daqueles coadjuvantes (NPC, personagem não-jogável) que estão ali somente para apanhar, no caso, um bancário. É fácil lembrar de outros jogos famosos também como “Fortnite” e “The Sims”, e a trama acaba se passando em dois mundos.

É uma comédia de ação e aventura que, superficialmente, pode lembrar “O Show de Truman” (1998), por termos um personagem de bom coração que acredita viver em um mundo que não existe de verdade. Ele é interessante, alguém que decide seguir o caminho do bem em um mundo ruim. Essa é uma bela mensagem que o filme passa. O player sobe de nível mais rápido do que outros saindo dos padrões vigentes. Aí está outra mensagem. “Free Guy” fala sobre a coragem de sair da zona de conforto, fazer diferente e fazer a diferença.

O diretor é o mesmo de “Uma Noite no Museu”: Shawn Levy. O homem sabe dirigir com efeitos especiais, aproveita bem. Em especial, ele tem experiência com essa mescla de comédia, ação e efeitos especiais. Há timing para as piadas e boas cenas. Aliás, também é uma comédia romântica em sua essência. Dei algumas boas gargalhadas, inesperadamente, o que foi ótimo. Os gamers vão se identificar e ver muito de si e de seus amigos.

O sorriso de Free Guy

Entretanto, o filme exagera nos estereótipos, o que talvez não fuja da proposta, já que remete a jogos que, geralmente, seguem exatamente nessa linha, mas é algo que pode incomodar. A trilha sonora é um dos destaques. O pop reina sob a batuta de Mariah Carey, a qual surge com “Fantasy” e mais alguns de seus clássicos. Combina muito e ajuda a nos fazer rir na química que faz com o jeito, as caras e bocas de Ryan Reynolds. Janet Jackson, TLC, Paula Adbul, e outras divas pop marcam presença, assim como trilhas sonoras que remetem a outras séries e filmes.

O final traz várias surpresas cômicas e são muitas as referências a outros filmes e a cultura pop. Produzido pela 20th Century Studios, de propriedade da Disney, é possível ver algumas faces famosas e ícones de algumas franquias cinematográficas. Ryan Reynolds chegou em um patamar onde pode ser quem é, um nerd que se diverte e coloca tudo o que gosta nos seus filmes.

O elenco inclui Joe Keery, mais conhecido pela série “Stranger Things”; Jodie Comer, famosa por seu papel em “Killing Eve”, que traz carisma e simpatia para sua personagem; Taika Waititi, como o chefe ávido por lucro; e Lil Rel Howery como Buddy, o melhor amigo de Guy. Esse último é exemplo de personagem exageradamente estereotipado.

Afinal, a expectativa que o trailer de “Free Guy” cria é superada, algo não muito comum hoje em dia. Saí desse filme pipoca com um sorriso ingênuo como o de Guy, que faz questão de ser bom num mundo caótico, e acaba por fazer a diferença. Boa, Guy!

Em seguida, veja o trailer:

A saber, o diretor Shawn Levy afirma que já pensa em uma sequência. Depois de ver o filme, comente aqui. Acha que deve ter uma sequência?

Ademais, leia mais:

Um bate-papo sobre documentário | ‘Cineastas do real’ no Canal Brasil

10ª Mostra Ecofalante de Cinema traz filmes inéditos de Costa-Gravas e Silvio Tendler

Animais na Pista | Cinema da Paraíba usa plano-sequência e faz crítica dura

3 Comments

Escreve o que achou!

%d blogueiros gostam disto: