O Rei de Staten Island | Filme de Judd Apatow é redondo e faz rir

O Rei de Staten Island (The King of Staten Island) mostra um homem frustrado na transição para a vida adulta que parece atrasada. Ele utiliza a maconha como um anestésico, uma fuga do mundo real. O filme consegue ser bastante engraçado, em especial com Scott, na atuação de Pete Davidson. Aliás, com algumas caras e bocas e interessante carisma, me lembrou um pouco Jim Carrey em seu começo de carreira.

Marisa Tomei vive a mãe de Scott, na busca que o filho encontre um caminho. Como de praxe, ela entrega muita naturalidade e emoção na medida certa. A saber, todo o elenco está muito bem, desde o infantil até o adulto. Scott é um cara irreverente, tem o dom do riso, mas uma falta de confiança tremenda e o trauma do falecimento do pai quando criança. A maconha parece que deixa tudo mais lento, e ele chega a assumir que fuma por isso, contudo, o tempo passa enquanto ele se mantém estagnado e entorpecido.

Todavia, novos acontecimentos a partir de sua própria inconsequência começam a abrir caminhos para a maturidade tardia. O filme tem direção e roteiro de Judd Apatow, conhecido pela produção de muitas comédias como ‘O Virgem de 40 anos’ e ‘Superbad’. Ou seja, o homem tem experiência com esse gênero e não decepciona. O Rei de Staten Island  é um longa-metragem redondo, com roteiro bem amarrado e fechado no que deseja fazer. Apesar disso, poderia ser mais curto, não percebi necessidade de ter mais de duas horas de duração. Entretanto, reitero que soltei boas gargalhadas e fiquei satisfeito com esse filme simples e eficaz em sua cômica metáfora de evolução que busca fornecer lições. Enfim, enquanto há vida, existe tempo para sorrir, para crescer – e encontrar o próprio destino.

Afinal, veja o trailer legendado:

Ademais, veja mais:

A história pessoal de David Copperfield | Filme traz ludicidade que lembra ‘Peixe Grande’
A Imagem da Tolerância | Conheça o documentário sobre um símbolo da benevolência
Aliás, Cine África ganha sessões com filmes de Cabo Verde e Angola | Gratuito

2 Comments

  • Bernardo Zendersky
    Bernardo Zendersky

    Filmaço, o melhor de 2020 e a muito tempo não assistia algo tão incrível.

    Responder

Escreve o que achou!

%d blogueiros gostam disto: