Saturday, September 26, 2020

Dancing Mary | Sabu fala sobre propósito | Fantasporto 2020

Dancing Mary é um filme do diretor japonês Sabu (Miss Zombie), que entrega algo fantástico e engraçado que passeia por diversos gêneros do cinema. Um prédio precisa ser demolido, antigo salão de baile, porém o fantasma de uma dançarina não deixa que isso aconteça. O jovem Kenji fica responsável por resolver o problema. Logo no início do longa-metragem ele vai surfando no asfalto com seu skate enquanto o espectador vê a situação sobrenatural que ocorre no local mal-assombrado em um belo jogo de montagem. A busca de Kenji por médiuns que lhe ajudem fornece situações extremamente cômicas e constrangedoras para o protagonista.

O filme foi visto por esse jornalista que vos escreve durante a cobertura do Festival Internacional de Cinema do Porto, o Fantasporto. Um amigo do site português Laxante Cultural, Pedro Afonso, que também cobriu o festival, opinou que o diretor não sabe bem o que quer. Discordo. Sabu faz o exercício cinematográfico de passear pelo romance, pelo drama, pela ação e pelo sobrenatural. Contudo, o grande objetivo é um só: falar sobre propósito. É interessante ver a estória de cada um dos coadjuvantes fantasmas, os quais precisam resolver alguma situações para poderem seguir seus caminhos. Aliás, a sequência de ação do espírito Yakuza é ótima e mostra bem a versatilidade de Sabu, que demonstra sensibilidade em outros momentos que pedem singeleza.

Dancing Mary
O belo poster de ‘Dancing Mary’ (divulgação: Fantasporto 2020)

Não conheci o outro mundo por querer

As atuações são todas convincentes. Em certos momentos, o longa-metragem me lembrou o anime Yu Yu Hakusho, e outros com temática ligada aos espíritos de outro mundo. Sabu usa a base do sobrenatural para percorrer personagens complexos que, na realidade, fazem parte de uma missão maior. Tem um sabor de aventura e um aroma de descoberta. Além disso, a fotografia é linda, sabendo utilizar bem as sombras e brincando com a utilização de cores e do preto e branco que vai e vem, dependendo da dimensão.

É possível perceber claras referências ao filme “Carrie, A Estranha”, juntamente com críticas sociais e ao bullying. No geral, Dancing Mary pode ser resumido como uma comédia de terror e apresenta um final que emociona no explodir de alegria de um personagem que finalmente se descobre.

Afinal, veja o trailer:

Ademais, leia mais:

Gone | Filme finlandês traz um mochileiro que se teleporta | Fantasporto 2020
UnTrue | Filme filipino surpreende no Fantasporto 2020
Confira os premiados no Fantasporto 2020

3 Comments

Escreve o que achou!

%d blogueiros gostam disto: