Galápagos | Espetáculo popular circula na periferia carioca

Ele está de volta! Cinco anos após sua última encenação, o espetáculo ‘Galápagos’ retorna à cena teatral carioca numa temporada popular que abarca três teatros do subúrbio da cidade. Entre os dias 04 de novembro e 11 de dezembro, a peça, vencedora do Prêmio Shell 2014 de Melhor Texto e contemplada no Edital FUNARJ de Circulação Teatral 2022 se apresenta no Teatro Arthur Azevedo, em Campo Grande; no Teatro Armando Gonzaga, em Marechal Hermes; e no Teatro Mário Lago, em Vila Kennedy.

Missão social

Além do preço super acessível de R$ 5 (inteira) e R$ 2,50 (meia), o projeto ainda contará com oficinas gratuitas. O projeto visa o desenvolvimento da economia criativa, estímulo à formação de plateia, e democratização da cultura fluminense. Paulo, ator da peça, comemora:

 “É muito importante para nós, que somos artistas e professores atuando em vários territórios da cidade do Rio de Janeiro, e faz muito sentido sair do eixo Centro-Zona Sul e poder levar este texto que falam sobre a sociedade, sobre a gente, sobre o país, a novos territórios.”

Encenada por Paulo Giannini e Kadu Garcia, que produzem a montagem pela Saravá Cacilda Produções, a dramaturgia de “Galápagos” propõe uma discussão sobre o homem que está no limite entre romper com padrões de comportamento para resgatar sua mais íntima individualidade, ou permanecer com a sensação de pertencimento social, saciando apenas o ponto de vista do outro. Kadu Garcia comenta:

“Reencenar ‘Galápagos’ é fazer refletir que, diante da divergência e diferença, podemos encontrar algo comum com o outro.”

Durante sucessivos encontros em um bar, dois homens com estilos de vida completamente diferentes reconhecem ter algo em comum: um abismo entre o que são e o que representam ser. Carlos, um artista plástico renomado, e Vander, um funcionário de uma multinacional, travam um duelo cômico e emocionante com suas verdades. A peça é escrita por Renata Mizrhai e dirigida por Isabel Cavalcanti.

Por fim, o espetáculo indaga: o que poderiam vidas tão diferentes, que parecem obrigadas a driblar todo o tipo de obstáculo para poderem se encontrar, desejar em comum?  É nesta explícita diferença que a peça cria empatia com o público. Com uma boa dosagem de humor e alguma angústia e solidão, ‘Galápagos’ faz o espectador se sentir mais dentro da situação.

 

Prêmios

Galápagos” foi contemplado pelo Prêmio Funarte Myriam Muniz 2013 e selecionado pelo Programa de Fomento à Cultura Carioca 2013. Em 2015, integrou a programação do Festival Sesc de Inverno e o Circuito Sesc de Artes Cênicas, e realizou duas temporadas: no Teatro da UFF, em Niterói, e uma segunda temporada no Rio de Janeiro, no Teatro Gláucio Gil. O espetáculo recebeu cinco indicações a prêmios: Melhor Texto e Melhor Iluminação pelo Prêmio Shell (2014); Melhor Texto e Melhor Direção pelo Prêmio CESGRANRIO de Teatro (2014), e Melhor Texto pelo Prêmio APTR (2015).

Programação:

Teatro Arthur Azevedo (04, 05 e 06 de Novembro)

Rua Vítor Alves, 454 – Campo Grande

  • Apresentação “Galápagos”

Sexta e sábado às 20h / Domingo às 19h

Sessão com intérprete de libras: sábado, dia 05/11

Ingressos – R$ 5 (inteira) / R$ 2,50 (meia-entrada)

Duração: 70 minutos

Classificação indicativa: 14 anos

  • Oficina Prática de Dramaturgia com Renata Mizrahi

Dia 04 de novembro – das 10h às 14h

Classificação indicativa – 17 anos

Teatro Mario Lago (12 de novembro)

Rua Jaime Redondo, 2 – Bangu

  • Apresentação “Galápagos”

Sábado, às 18h

Sessão com intérprete de libras

Ingressos Gratuitos

Duração: 70 minutos

Classificação indicativa: 14 anos

Teatro Armando Gonzaga (09, 10 e 11 de dezembro)

Av. Gen. Osvaldo Cordeiro de Farias, 511 – Marechal Hermes

Sexta e sábado, às 20h /Domingo, às 19h

Sessão com intérprete de libras: sábado, 10/12

  • Apresentações “Galápagos”

Ingressos – R$ 5 (inteira) / R$ 2,50 (meia-entrada)

Duração: 70 minutos

Classificação indicativa: 14 anos

  • Oficina Prática de Dramaturgia com Renata Mizrahi

Dia 09 de dezembro – de 10h às 14h

Classificação indicativa – 17 anos

 

Ademais, veja mais:

Argentina, 1985 | ‘A mensagem é de respeito, memória, justiça’, diz Lanzani

Crítica | Bem-vinda, Violeta

Crítica | Mais do que uma biografia, ‘Otto: de trás p/ diante’ fala de amor por literatura

 

4 Comments

Escreve o que achou!