Saturday, December 4, 2021

Banda Mato Seco traz paz para o caos em novo EP

A banda Mato Seco acaba de lançar seu mais novo trabalho, o EP “Carta da Humanidade para a Humanidade”, que marca o retorno do grupo após dois anos de pausa nos trabalhos presenciais. Assim, com cinco canções, apresentam as gravações feitas durante a pandemia.

Aliás, formada por Rodrigo Piccolo (vocal e guitarra), Eric Oliveira (guitarra), Osvaldo Ciziniaukas Jr. (contrabaixo), João Paz (órgão e piano), Tiago Rezende (bateria), Carlos Gonçalves (percussão e voz) e Auro Peres (percussão e voz), a Mato Seco mostra neste novo EP um mergulho em questões sociais e alerta sobre a finitude das coisas.

Um EP que inspira

Faixa que abre o álbum, ‘Carta da humanidade (Fomos Longe Demais)’ apresenta uma visão do caos que vivemos hoje no mundo. Assim, a letra claramente social critica o momento em que perdemos nossa humanidade.

Vale destacar o refrão pegajoso e potente da música, estamos diante de um reggae clássico com elementos sonoros que valorizam a forte mensagem.

Em seguida, temos a única colaboração do EP, na canção ‘Levante a Cabeça (Jah Não Vai Te Deixar)’, que traz a participação de Zeider Pires, vocalista da banda Planta e Raíz. Nesse sentido, com uma pegada motivacional, a faixa diz que devemos ir adiante, pois “O céu não é o limite, você pode voar”.

ESCUTE “CARTA DA HUMANIDADE PARA A HUMANIDADE” NAS PLATAFORMAS DE STREAMING

O universo reggae da Mato Seco

Logo, o single ‘Tempo de Acordar’ chega questionando o modo como vivemos, lembrando que somos parte de um mesmo universo. Contudo, apesar de ter 5:29 de duração, a faixa é contagiante e nos faz embarcar na viagem proposta.

Desse modo, encaminhando para o fim do disco, em ‘Não Deixo de Acreditar’ a banda reflete sobre os tropeços da vida, quase sempre inevitáveis, mas que é possível aprender com cada um deles.

Assim, fechando o trabalho, a tranquila ‘Palavras Repetidas’ mostra que temos uma força que não imaginamos.

Ademais, veja mais:

Outros Caras lançam clipe colaborativo ‘Fé (É preciso ter)’

Preto de Azul | Samba jazz que une Brasil e Cabo Verde está nas plataformas digitais

Vinaa, Dicy Rocha e Núbia homenageiam o reggae maranhense de Betto Pereira

2 Comments

Escreve o que achou!

%d blogueiros gostam disto: