Thursday, October 6, 2022

Menina Lua | Aconchego no teatro pós-pandemia

Menina Lua, peça inédita de Luiza César faz seu último final de semana no Sesc Tijuca. O espetáculo é um solo da atriz que conta a história de uma jovem adulta que sempre sentiu uma atração muito forte com a lua. Através de símbolos e um texto poético e acolhedor, a personagem passa por momentos importantes da sua vida, sentimentos, decisões e fases em um paralelo muito sensível com os ciclos lunares.

O aconchegante mundo de Menina Lua

Luiza César recebe a plateia cumprimentando individualmente os presentes e convidando todos para a imersão da experiência teatral. Em um teatro com a capacidade para 44 expectadores, ficamos fisicamente muito próximos das cenas e esse fator leva a uma proximidade com a história também. A personagem conta das suas aventuras e conversas com a lua em seu pequeno e muito sonhado apartamento que combina muito bem com a leveza e acolhimento do espaço. A premissa de ficar em casa com seus próprios pensamentos e expectativas é de fácil identificação após um período marcado pela pandemia e essa volta aos palcos com a temática é bem interessante para ressignificar o espaço da caixa teatral em uma experiência muito acolhedora.

Metáforas lunares

A grande atração que a menina sente com a lua aos poucos carrega significados e reflexões como dependência emocional, confiança no outro, vulnerabilidade e diversos outros temas. Ao conversar com a lua, a personagem se entende enquanto companhia, se descobre com seus próprios pensamentos e desenvolve autocuidado em uma construção cênica lúdica e emocionante. Menina Lua prova que os pequenos prazeres da vida estão nos respiros e que os grandes problemas da vida, talvez estejam mais para desafios do que problemas.

Preparação corporal

Com habilidades de improvisação, ótimo uso do espaço, voz e corpo disponíveis, Luiza César dividiu um pouco da sua preparação para o espetáculo com a equipe do Vivente Andante:

“A preparação para a criação do próprio espetáculo foi muito intensa (…) depois eu percebi que precisaria se manter essa rotina que a gente criou para manter o tônus. A preparação da sala de ensaio me deu, mas a rotina da cena mesmo, estar em cartaz e fazer isso várias vezes por semana, me deu em níveis mais aprofundados tanto uma percepção do corpo ativo em cena, que suscita a palavra e não ao contrário, quanto a questão rítmica”

Elementos como a música também foram fundamentais, segundo a atriz, para desenhar ritmicamente o espetáculo e a construção coletiva com toda a equipe criativa. A direção do espetáculo é de Ricardo Rocha, a direção de movimento é de Bárbara Abi-Rihan, a direção musical é de Antônia Medeiros, e a música ao vivo é por Katarina Assef.

Por fim, Menina Lua é uma peça belíssima, com escolhas cênicas poéticas e divertidas que promete aquecer o coração do público.

SERVIÇO:

“MENINA LUA”

Temporada: 1º a 25 de setembro

Apresentações: 5ª a sábado – 19h / Domingo – 18h

Apresentações com sessão de libras: 17 e 24 de setembro (sábado) – 19h

Local: Teatro II – SESC Tijuca

Endereço: Rua Barão de Mesquita, 539 – Tijuca

Ingressos: R$ 30 (inteira) | R$ 15 (meia entrada em casos previstos por lei, professores e classe artística com documento comprobatório) | R$ 7,50 (credencial plena)

Duração: 60 minutos

Classificação Indicativa: 12 anos

Capacidade: 44 lugares

Ademais, veja mais:

Mulheres no comando de motorhomes | Entenda

Confira 7 livros para o Dia Internacional da Mulher | Maria Madalena e companhia

Teologia das Mulheres – A quem Deus revelou seus mistérios | Entenda o feminino no cristianismo

Escreve o que achou!