Tuesday, October 19, 2021

Olha a Chuva | Francisco, el Hombre convida Dona Onete em novo single

O segundo disco da Francisco, el Hombre, RASGACABEZA (2019), é o mais inflamado da sua trajetória, tanto pela sonoridade quanto pelas menções que faz ao fogo. Em processo de lançamento do seu terceiro álbum de estúdio, previsto ainda para este ano, a banda apresenta um single que contrapõe o trabalho anterior, abrindo espaço para celebrar a chuva, como um banho fresco. Após “Nada Conterá a Primavera”, o grupo revela a segunda canção dessa nova etapa, “Olha a Chuva”, que chega aos aplicativos de streaming com a participação da cantora paraense Dona Onete.

“’Olha a Chuva’ nasceu em um dia que estava sendo extremamente improdutivo pra gente. Ficamos batendo cabeça para criar algo por horas no quintal em que estávamos reunides e nada acontecia. Eis que choveu forte, do nada, e havia muita roupa no varal”, lembra Mateo Piracés-Ugarte. “Corremos para tirar toda a roupa do varal e criamos a música neste momento, não demorou nem cinco minutos”, comenta.

O nome de Dona Onete para participar da faixa surgiu instantaneamente. “Pensamos nas chuvas amazônicas das 14h, em Belém, e também no show dela”, afirma Mateo. Já a artista paraense reivindica o temporal como patrimônio do seu estado, o que contribui ainda mais para o convite. “A chuva é quase nossa e a gente já pode dizer que ela é do Pará, ela é do Norte. Eu fiquei muito feliz de poder falar da nossa bendita chuva maravilhosa”, afirma a cantora, que gravou a canção – em meio a chuva – na Ilha do Mosqueiro (em Belém).

Melodias andinas, ritmos latinos, carimbó e mais

A construção sonora de “Olha a Chuva” tem um quê de melodias andinas, mesclando ritmos latinos, como o carimbó, a cumbia e a batucada. Para chegar nesse resultado, a Francisco, el Hombre buscou referências  que vão da banda chilena Chico Trujillo  a própria Dona Onete.

Agora, a Francisco, el Hombre pode dizer que tem a faixa que faltava para eventuais chuvas em seus shows. “Ninguém vai fugir do lamaçal, ninguém vai fugir de se molhar, porque assim que cair a primeira gota de chuva, começará essa música e a festa se intensificará!”, finaliza Mateo.

Ademais, veja mais:

Universo | Mansim traz composição leve e carregada de questionamentos

Maria Pérola em entrevista exclusiva | ‘Trago na veia a música nordestina como forma de resistência’

Partes | Marina Saleme expõe duas instalações no Rio de Janeiro

2 Comments

Escreve o que achou!

%d blogueiros gostam disto: