Monday, November 28, 2022

Jazz Funky Sessions | Raphael Cortezi apresenta releituras jazzísticas de Beatles, Stevie Wonder e Coltrane

Raphael Cortezi mostra sua versatilidade em um registro ao vivo em estúdio de seu já elogiado show “Jazz Funky Sessions”. A mescla de gêneros musicais guia o repertório, com releituras instrumentais de três composições icônicas do século XX: “Mr. Day”, de John Coltrane; “Isn’t She Lovely”, de Stevie Wonder; e “Come Together”, de Lennon e McCartney. Além disso, nos vídeos disponíveis no YouTube, surge uma faixa bônus com uma interpretação de “Billie Jean”, de Michael Jackson.

“O conceito por trás deste projeto foi unir diferentes vertentes e repertório que gosto de tocar, que falam comigo e fazem com que essas canções se comuniquem com o público também. Indo do Jazz ao Pop, Soul e Rock n’ Roll, tudo unido pelo ritmo e pela linguagem do Funk e Soul”, entrega Raphael.

Instrumentista, compositor, arranjador e diretor musical, Cortezi, aos 15 anos, ingressou como bolsista na Fundação das Artes de São Caetano e, dois anos depois, integrou o Conservatório Souza Lima-Berklee, onde estudou violão erudito com Fábio Ramazzina e Luiz Stelzer. Posteriormente, com 17 anos já atuava profissionalmente e aperfeiçoou seus estudos em harmonia, improvisação e arranjo com Lula Galvão, Heraldo do Monte, Rodrigo Morte, Peter Farrell e Aldo Landi.

Canção Instrumental Brasileira

Trabalhou com Ivan Conti “Mamão”, Bocato, Sizão Machado, Lula Galvão, Nailor Azevedo “Proveta”, Itamar Assieri, Sá Reston, Ari Colares, Márcio Negri, Albano Sales, Thiaguinho Silva, Aldo Landi e muitos outros instrumentistas, e com os cantores Dada Yute, Renato Braz, Assucena Assucena (As Baías), Zinho Trindade e Obinrin Trio. Além do Brasil, sua música já esteve presente em diversos países com o show “Bossa Sempre Nova”, ao lado da cantora Luz Lima.

Atualmente tem endorsement da marca Carvalho Lutheria e prepara seu primeiro álbum solo: “Canção Instrumental Brasileira”, com composições autorais e versões ousadas de clássicos como “Upa, Neguinho” (Edu Lobo e G. Guarnieri), “Garota de Ipanema” (Tom Jobim e Vinicius de Moraes) e “Berimbau” (Baden e Vinicius de Moraes). Ele também assina a direção musical dos projetos Raphael Cortezi Em Dobro e À Brasileira.

A saber, o projeto de “Jazz Funky Sessions” teve início em julho de 2019, com a gravação do EP ao lado dos músicos convidados Gabriel Altério (bateria) e Jonatas Francisco (piano/teclados), no Estúdio 99, com Raphael Cortezi assumindo o protagonismo na guitarra.

Por fim, assista a “Jazz Funky Sessions”:

Ademais, leia mais:

Tetel Di Babuya evoca bossa nova de Vinícius de Moraes e Tom Jobim em novo single
Joice Terra fala sobre o disco (De)Vagar em entrevista exclusiva
Preto de Azul | Samba jazz que une Brasil e Cabo Verde está nas plataformas digitais

Escreve o que achou!