Tuesday, October 19, 2021

Resenha | ‘Uagadu’, uma odisseia africana que emociona

“Uagadu – Uma Odisseia Africana” é uma belíssima obra de Marco Haurélio e Arlene Holanda. Desde sua capa passando pela introdução e todo seu conteúdo, esse livro valoriza histórias de tradições africanas pouco abordadas, ao mesmo tempo em que usa com eficiência e charme o cordel.

A introdução apresenta a base histórica de onde vieram e prepara o leitor para a jornada que vem lidamente em seguida. “A canção de Gassire” é a primeira que surge, por Arlene Holanda. O ritmo é gostoso de ler e percorre diversos temas como videntes, predestinação, ambição, vingança e glória.

“Reis e heróis apodrecem,

Não importa quem é quem;

Viram banquetes de vermes

Até pássaro também,

Mas, se tem sua canção,

Podem viver muito além.”

Trecho de “A Canção de Gassire”

Soninquês

Em seguida, temos “O Tabele Mágico” o qual traz importantes ensinamentos sobre humildade e paciência. Dessa vez com um contexto maior de conexão com a natureza, a magia, os animais, djinns. Foi um dos que mais me tocou por seu jeito que consegue ser didático e literário ao mesmo tempo. Tem o sabor de Uagadu, uma lenda do povo soninquê de origem mandê. De acordo com as poucas e imprecisas fontes sobre a história da África negra, esse povo teria vivido na região que atualmente seria dos países Nigéria e Gana.

Na época, reunia pequenas cidades, as quais, desde o século IV, começaram a sofrer um processo de unificação. Acredita-se que isso ocorreu como estratégia nas guerras contra povo nômades, os quais, por fim, acabaram por se mesclar à população nativa. Posteriormente, no século VIII, a região já era conhecida como Império de Gana. Antes do advento das invasões de povos oriundo do Magrebe, os soninquês chamavam sua região de Uagadu.

Capricho

Todas as histórias conversam entre si, ligadas por um fio mágico de ludicidade. “A Grande Serpente Bida”, a terceira na sequência, traz um sabor de vingança. Entretanto o livro acaba em “Samba Gana”, entre amores e façanhas.

A edição da Sesi-SP Editora é caprichosa. Há todo um colorido providencial que traduz força étnica. Qualidade já faz parte do estilo da empresa, que também entregou um ótimo trabalho com “Tristão e Isolda em Cordel”, outro trabalho de Marco Haurélio. Saiba mais abaixo:

Resenha | Tristão e Isolda em Cordel

A editora conta com mais mil títulos em seu catálogo, em diferentes formatos (e-books, audiobooks e impressos). Atualmente é referência na edição de livros educacionais, infantojuvenis, de alimentação, de HQs nacionais e europeias, e de obras de interesse geral. Saiba mais em: www.sesispeditora.com.br.

Os autores de “Uagadu” são dois cordelistas brasileiros de renome, Marco Haurélio (que entrevistamos aqui) e Arlene Holanda. Os quatro contos do livro foram transformados em cordel com base em registros oficiais do arqueólogo e importante nome na etnografia alemã, Leo Frobenius. Indubitavelmente, uma das virtudes dessa edição é trazer revelações a cerca do povo soninquê, base do Império de Gana.

FICHA TÉCNICA:

Título: Uagadu – Uma odisseia africana

Autores: Marco Haurélio e Arlene Holanda

Editora: SESI-SP Editora

ISBN: 978-85-504-0796-8

Formato: 14 x 20 cm

Páginas: 136

E-ISBN: 978-85-504-0795-1

Aliás, veja mais:

Cine África | Em setembro estreia nova temporada do festival de filmes africanos
Fronteiras | Cine África traz a diretora Apolline Traoré de Burkina Faso
Enfim, Literatura africana | Conheça o projeto da livraria online com obras sobre África

Escreve o que achou!