Se Não Agora, Quando? | Primeiro solo de Marcélli Oliveira sobre solidão e depressão ganha versão virtual

A cada 40 minutos uma pessoa comete suicídio e a cada três segundos alguém tenta fazê-lo. Foi de olho nestes números alarmantes que Marcélli Oliveira desenvolveu seu primeiro solo, “SE NÃO AGORA, QUANDO?” (leia nossa crítica aqui). Partindo da premissa que assuntos como depressão, solidão e suicídio precisam deixar de ser tabu para se tornarem assuntos naturais, tratados de forma cuidadosa e respeitosa, a atriz e autora estreou o solo em Fevereiro de 2020, mas teve a temporada presencial no Sesc Tijuca interrompida pela pandemia. Sob direção de Leonardo Hinckel, a montagem retorna adaptada ao YouTube a partir do dia 18 de Março, às 20h, com projeto foi aprovado no edital retomada da cultura da Lei Aldir Blanc da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Rio de Janeiro (Secec/RJ).

Para esta nova temporada, a equipe afirma que apenas o texto permanece o mesmo. “Um novo cenário e um novo figurino estão sendo feitos, assim como novas marcações de cenas e outra proposta de direção. Esta temporada virtual também contará com duas sessões acessíveis, com intérprete de libras, e quatro sessões com debate ao vivo com uma psicóloga ao final das apresentações. Nos demais dias, reexibiremos os papos gravados após a exibição” explica Leonardo que, assim como Marcélli, não sabe definir o que é exatamente esse novo formato. “Não é teatro e nem é cinema. Acho que é mais um encontro, uma celebração da arte em um novo formato”, sugere a atriz e autora.

Aliás, confira essa entrevista com Marcélli, e leia mais em seguida:

Em cena, a personagem acompanha diariamente da janela do seu apartamento a vida dos vizinhos do prédio da frente. Como nada do que planejou para sua vida deu certo, ela se alimenta do que acontece com eles. Porém, após um tempo, nem a vida corriqueira deles lhe interessa mais. Na sacada do seu apartamento, a mulher solitária está decidida como nunca a se matar. De repente, uma luz se acende no 5º piso do prédio da frente. É um novo morador!

Conhecida pelos trabalhos sempre permeados pelo bom humor, mas consciente da densidade que os assuntos deste texto costumam trazer, ela mantém um olhar de leveza e naturalidade no texto. “Eu quero que as pessoas assistam e conversem depois sobre estes temas. Quero que vejam que está tudo bem se sentir sozinho, que é normal ter algum medo e que está todo mundo se sentindo assim também. Estamos há um ano trancados em casa, os sentimentos estão à flor da pele. Não é vergonha se sentir depressivo, mas isto precisa ser conversado”, atesta Marcélli, que também atua há cinco anos como roteirista da Rede Globo.

A vida real inspira a ficção: pesquisas comprovam que antidepressivos estão em segundo lugar na fila dos remédios mais consumidos. “Precisamos falar sobre isso tudo com naturalidade e dar a devida importância que têm. No Brasil, aproximadamente 32 pessoas se matam por dia. A gente diz que está tudo bem, mas o coração anda cada dia mais acelerado, a ansiedade é cada vez maior. Estamos passando por muita coisa, um turbilhão de medo e insegurança nos assolam. Não está fácil pra ninguém”, reforça o diretor.

SERVIÇO:

“SE NÃO AGORA, QUANDO?”

Temporada:

18 a 28 de Março

Horários:

Quinta-feira a sábado – 20h

Domingo – 19h

Onde:

Apresentações através do YouTube

Ingressos Gratuitos:

Reserva em https://www.sympla.com.br/espetaculo-online–se-nao-agora-quando-temporada-virtual__1112473

Duração: 55 minutos

Classificação: 16 anos

Gênero: Comédia Dramática

Sessões com acessibilidade (intérprete de libras):

19 e 26 de março – 19h (6as feiras)

Sessões com debate após fim do espetáculo:

Bate-papo com a psicóloga Luzia Guimarães (Quintas e Sábados) – 18, 20, 25 e 27 de março

Bate-papo com a Direção (Domingos) – 21 e 28 de março

Ademais, leia mais:
Além disso, tem Marcelo Monteiro | “Cosmogonia resgata e desperta a consciência do povo negro”
Por fim, Ana Catão do Cosmogonia Africana| “Nossa missão é trazer essa história que foi varrida para debaixo do tapete”

Escreve o que achou!