Wednesday, November 25, 2020

Sede de Paula Albuquerque | Poesia

Sede
Era setembro de 2008 e me tranquei naquele pequeno depósito que tínhamos em casa, com uma garrafa, um livro de poemas e as lágrimas que me devoravam. Toda minha extensão soluçava por entre inércias da existência enquanto você batia na porta do outro lado do mundo.

O depósito era meu ventre secreto, e a sede uma onda sem oceano. Exagerei nesse dia a ponto de você esconder todas as chaves. Eu lembro que você reclamava que eu vivia fechada, e por não gostar na verdade das portas, você suspendeu todo vestígio dos trincos. Daí abri as janelas contemplei a rua. As buzinas dos carros. Não ouvia coisa alguma lá fora, apenas olhava. E enquanto você falava, não te via, mas te escutava. Eu só queria uma pausa na loucura dessas horas, sempre tão cambiantes e fugidias.

O que meu corpo poderia fazer diante da angústia de existir, a não ser deixar-se morrer por entre goles e marés? O que você entenderia do meu inferno? Do alucinado espanto que me consumia e me exasperava a lucidez? Eu era ao menos mil anos mais velha em um desespero devastador que meus braços não sabiam alcançar – tampouco reter, mesmo sendo parte de mim. Lembra que eu inventei um nome para o meu desespero? Uma onomatopeia para deixar transparente o inominável do meu sofrimento. Mas de tanto buscar achei a cesura dos trincos: a porta do mundo tinha um trinco embutido. Não falei, desculpe-me: eu precisava de um estilhaço.

Ademais de sede, leia mais:

Inclusive, siga mergulhando no canto em Tempos de Reclusão
Aliás, conheça Hugo Mello | “Um Los Hermanos sem guitarra”
Asfixia | Poesia

 

2 Comments

Escreve o que achou!

%d blogueiros gostam disto: