Wednesday, September 22, 2021

VERLUST | Andrea Beltrão e Marina Lima em filme sobre o despertar

VERLUST é um drama sobre indivíduos que vivem em uma atmosfera sufocante. Inicialmente, a história acompanha a poderosa empresária musical Frederica (Andrea Beltrão). Isolada na praia ao lado do marido fotógrafo (o ator chileno Alfredo Castro) e a filha adolescente (Fernanda Pavanelli), concentra-se nos preparativos de uma esperada festa de réveillon. Porém, ainda tem que administrar a vida e carreira do ícone pop Lenny (Marina Lima). O filme estreia na próxima quinta-feira (05/11) nos cinemas brasileiros.

Sua cliente está produzindo uma obra misteriosa ao lado do escritor João Wommer (Ismael Caneppele). Entretanto, quando um ser das profundezas do mar surge em sua praia, a crise se instaura e Frederica terá que enfrentar seu maior medo: a perda.

Presos a um círculo de fama e poder, atados a convenções sociais, sujeitos ao jogo de aparências e expostos aos olhos censores da sociedade, cada personagem sente dificuldade em repensar seus relacionamentos, já que sofrem sufocamento pelo domínio de signos e significados, gêneros e catalogações, que os impossibilitam de aceitar o desejo como força que move os corpos para novos encontros.

Desperte

O filme se passa durante o ano novo, símbolo do despertar. A localização é uma praia isolada, paraíso impenetrável que proporciona a ilusão de segurança para os personagens. VERLUST é um diálogo entre cinema e literatura. Enquanto o filme narra o ponto de vista dos personagens que se projetam na criatura do mar encalhada, o livro homônimo de Ismael (ed. Iluminuras) narra em primeira pessoa o ponto de vista da criatura do mar, que deseja se desprender do seu coletivo e procurar sozinha o ambiente respirável de onde partiu há séculos.

Verlust
Marina Lima com André Beltrão (divulgação: Sinny Assessoria)

Dentro do contexto global de pandemia, VERLUST propõe um pensamento sobre um estilo de vida que não surte mais efeito nos dias de hoje. A posse, as proclamações, os predicados, tudo isso não define um ser humano. A crise é um processo de transformação. É preciso refletir à sua maneira diante do desconhecido que nos amedronta e nos ameaça. Com um futuro incerto pela frente, resta-nos sair fora da ordem que nos individualiza, é preciso nos desamparar. O que nos desampara nos recria. Se quisermos ver a força da transformação, é necessário que nos deixemos afetar pelo assombro de uma criatura nunca antes vista, para então instaurar um novo corpo e uma nova forma de ser.

Marina Lima

Não é à toa que a compositora Marina Lima se uniu ao projeto para interpretar Lenny. Com uma extensa carreira e ícone de uma geração, Marina superou traumas e foi capaz de se reinventar. Ela personifica Lenny e seu constante movimento de busca. O disco “Marina Lima” é um objeto importante para as personagens principais, de forma que vida e obra se misturam. Para dialogar com essa grande artista, uma outra grande artista integra o elenco. Grande força dos palcos brasileiros e presença marcantes em obras audiovisuais nacionais, Andrea Beltrão traz para Frederica toda sensibilidade e poder que a personagem exala.

Por fim, completam o elenco, Ismael Caneppele, que interpreta outro personagem emprestado da vida real, o escritor João. Ismael, colaborou com o roteiro, escreveu o livro que narra o ponto de vista da criatura do mar e assim como o escritor na vida real, o personagem passa por uma crise na trama e descobre sua voz na voz da criatura. Junto a eles, somam-se o lendário ator chileno Alfredo Castro, como marido fotógrafo de Frederica e Fernanda Pavanelli, contrabaixista clássica, que dá vida à Tuane, filha de Frederica.

A saber, VERLUST foi escrito e produzido ao longo de 10 anos.

Afinal, veja o trailer:

Ademais, leia mais:

‘Tenet’, o tempo invertido e a imersão cinematográfica | Crítica

28º Festival Mix Brasil acontece de 11 a 22 de Novembro

Conheça os vencedores do 4º Prêmio ABRA de Roteiro

4 Comments

  • SIDNEI
    SIDNEI

    Comecei a acompanhar o site e estou gostando… Mas assisti a esse filme na Mostra de Cinema e posso dizer que é um dos piores filmes brasileiros dos últimos anos. 1000 vezes melhor é O Livro dos Prazeres.
    Espero que essa resenha generosa não seja um release da produtora, porque Verlust é de doer.

    Responder
    • Alvaro Tallarico

      Primeiramente, gratidão por prestigiar nosso trabalho! Adoramos divulgar a cultura. Continue conosco 🙂
      Com relação ao filme, ainda não vimos, o texto não é uma crítica nossa, mas sim, basicamente, informações passadas pela assessoria.
      Forte abraço, Sidnei!

      Responder
      • Sidnei
        Sidnei

        Alvaro, obrigado pelo retorno e pela transparência, Só que aí eu enxergo um grande problema. Releases passadas por terceiros para publicação não deveria ter a chancela do site dessa forma. Um release desse tamanho pareceu uma resenha positiva do filme, que você mesmo assume que não viram.

      • Alvaro Tallarico

        Como veículo de comunicação, recebemos diversos releases e notas buscando espaço no site. No geral, são mais informativas, essa pode parecer um pouco mais uma crítica do que o normal. Atentaremos para suas colocações.
        Mais um vez, gratidão pelo retorno e as contundentes opiniões, Sidnei 🙂

Escreve o que achou!

%d blogueiros gostam disto: