Wednesday, September 22, 2021

Crítica | Lupin

Lupin é a nova série francesa da Netflix que já esta em segundo lugar no top 10 Brasil e promete fazer barulho. Assane Diop (Omar Sy) é o protagonista que se inspira em Arséne Lupin, o famoso ladrão de casaca inspirado nos romances de Maurice LeBlanc.

Assane viu na adolescência seu pai ser acusado injustamente do roubo de um colar muito caro e 25 anos depois vê uma chance de vingar a morte de seu pai e desmascarar toda a trama sobre.

Omar Sy já é famoso pelo seu papel em Os Intocáveis (Intouchables), e realmente foi perfeito para o papel de Assane, pois rouba a cena e traz muito dinamismo e carisma para o personagem.

O elenco secundário não tem tanto tempo de tela, mas é um apoio bem interessante para a série e deixa o caminho preparado para Omar brilhar. Aliás, as sacadas tanto de ação quanto dos truques são de tirar o chapéu.

Racismo

Lupin é bem ágil, com um ritmo muito bom e pouca barriga nos episódios, isso principalmente porque Assane é realmente muito carismático e tem uma presença de tela impressionante.

A direção de Louis Leterrier, o mesmo diretor de Truque de Mestre não esconde suas referências e abusa nos planos e truques simples, porém muito bem feitos.

As sacadas sobre racismo e como o protagonista usa isso com tiradas inteligentes são cirúrgicas e bem atuais, principalmente no contexto da França de hoje.

Essa série me deixou com vontade de ler os livros sobre Lupin, afinal, histórias de ladrões costumam ser fascinantes. Então se você gosta de trama policial, com tiradas boas e um toque refinado de carisma, irá se divertir.

Estou bem ansioso para a segunda parte, recomendo fortemente que maratonem essa série pois são apenas 5 episódios e garanto que pelo menos nos 3 primeiros você não vai desgrudar os olhos da tela. Depois venha aqui e comente o que achou, se vai ver ou se já está como eu: louco pela segunda temporada.

Enfim, o trailer:

Ademais, veja mais:

Aliás, conheça ‘Tales from the Loop’ | Contos do Loop é sensacional
The Midnight Gospel | Série mostra armadilha existencial da alma
Enfim, veja ‘Caffè Sospeso’, filme aromático que desperta

2 Comments

  • Alfredo Barros

    Adorei a série, e fiquei curioso sobre algumas opções estéticas. Por que a cor laranja predomina no figurino dos disfarces de Lupin? Qual o significado disso?

    Responder
    • Sérgio Menezes
      Sérgio Menezes

      Pode ter a ver com o lupin dos contos, mas ainda não achei nada sobre esse assunto.

      Responder

Escreve o que achou!

%d blogueiros gostam disto: