Saturday, September 24, 2022

Ecos de 1922 | Mostra comemora a Semana de Arte Moderna no CCBB

Agora em 2022 está sendo comemorado o centenário da Semana de Arte Moderna. Para celebrar esse marco da arte brasileira, o CCBB organizou a mostra “Ecos de 1922 – Modernismo no Cinema Brasileiro” que usa a linguagem cinematográfica para abordar diferentes facetas do movimento. Do dia 10/3 até 11/4 o Centro Cultural Banco do Brasil tem uma programação, composta por longas e curtas-metragens, com um total de 54 sessões presenciais e 6 atividades paralelas, que incluem debates e palestra.

Confira a lista dos filmes participantes:

Limite | Mario Peixoto | 1931

Quem seria o feliz conviva de Isadora Duncan? | Júlio Bressane | 1992

Uma noite com Oswald | Inácio Zatz e Ricardo Dias | 1992

Bye Bye Brasil | Cacá Diegues | 1980

Chico Antônio, o herói com caráter | Eduardo Escorel | 1983

O mestre de Apipucos | Joaquim Pedro de Andrade | 1959

Macunaíma | Joaquim Pedro de Andrade | 1969

Por onde anda Makunaíma? | Rodrigo Séllos | 2020

Deus e o diabo na terra do sol | Glauber Rocha | 1964

Terra em transe | Glauber Rocha | 1967

República do Mangue | Julia Chacur, Mateus Sanches Duarte e Priscila Serejo | 2020

Mangue-bangue | Neville D’ Almeida | 1971

Tarsila: 50 anos de pintura | Fernando Coni Campos | 1969

Viagem ao fim do mundo | Fernando Coni Campos | 1968

Orgia ou O homem que deu cria | João Silvério Trevisan | 1970

No paiz das Amazonas* | Silvino Santos | 1922

Há terra! | Ana Vaz | 2016

Nũhũ yãg mũ yõg hãm: essa terra é nossa! | Carolina Canguçu, Isael Maxakali, Roberto Romero e Sueli Maxakali | 2020

Brasilianas n.º 4: engenhos e usinas | Humberto Mauro | 1955

Bárbaro e nosso – Imagens para Oswald de Andrade | Márcio Souza | 1969

Brasilianas n.º 1: canções populares – “Chuá… chuá…” e “A casinha pequenina” | Humberto Mauro | 1945

Cinema é maresia | Diogo Cavour | 2008

O poeta do Castelo | Joaquim Pedro de Andrade | 1959

Brasilianas n.º 2: canções populares – “Azulão” e “O pinhal” | Humberto Mauro | 1948

Não vim no mundo para ser pedra | Fabio Rodrigues Filho | 2021

Sem essa, Aranha | Rogério Sganzerla | 1978

Carmen Miranda: bananas is my business | Helena Solberg | 1955

Apiyemiyekî? | Ana Vaz | 2019

Mato eles? | Sergio Bianchi | 1983

Tudo é Brasil | Rogério Sganzerla | 1997

Como era gostoso o meu francês | Nelson Pereira dos Santos | 1971

Branco sai, preto fica | Adirley Queirós | 2014

A$suntina das Amérikas | Luiz Rosemberg Filho | 1976

O homem do pau-brasil | Joaquim Pedro de Andrade | 1980

Eh Pagu, eh! | Ivo Branco | 1985

Eternamente Pagu | Norma Bengell | 1988

O Aleijadinho | Joaquim Pedro de Andrade | 1978

Ladrões de cinema | Fernando Coni Campos | 1977

Travessia | Safira Moreira | 2017

Alma no olho | Zózimo Bulbul | 1974

Há terra! | Ana Vaz | 2016

Grin | Isael Maxakali, Roney Freitas e Sueli Maxakali | 2016

O ataque das araras | Jairo Ferreira | 1975

Iracema: uma transa amazônica | Jorge Bodanzky e Orlando Senna | 1974

Herói póstumo da província | Rudá de Andrade | Livre | 1973

Miramar | Júlio Bressane | 1997

Perigo negro | Rogério Sganzerla | 1992

Quem seria o feliz conviva de Isadora Duncan? | Júlio Bressane | 1992

O mandarim | Júlio Bressane | 1995

Um filme 100% brazileiro | José Sette | 1985

Tabu | Júlio Bressane | 1982

Para mais informações, ingressos e horários das sessões da mostra “Ecos de 1922 – Modernismo no Cinema Brasileiro”, confira o site do CCBB.

Ademais, leia mais

Lollapalooza Brasil divulga horários dos shows e atrações dos palcos

De chope verde a religiosidade, saiba mais sobre o Dia de São Patrício | Saint Patrick’s Day

Coração Ardente | Filme traz a história de um símbolo cristão entre ficção e realidade

4 Comments

Escreve o que achou!