Monday, September 26, 2022

Crítica | Maior que o Mundo

Maior que o Mundo é um filme nacional cuja maior virtude é criticar certo surrealismo que envolve um escritor quando alcança o sucesso. O filme começa muito bem com o protagonista, o escritor Kbeto (Eriberto Leão), cujo primeiro e úncio livro foi um sucesso, gravando novas ideias no celular. O que ele diz sobre o mundo feminino é fascinante. Contudo, logo depois, tudo segue outro caminho.

Kbeto sonha em escrever um segundo romance, mas está com um bloqueio criativo. Entreanto, ao encontrar um diário perdido, se empolga com a história do anão Altair (Giovani Venturini) e decide transcrever o manuscrito para vendê-lo como se fosse seu. Mas Altair aparece para reinvindicar a autoria.

O longa segue uma linha no estilo Bukowski. Henry Charles Bukowski foi um escritor estadunidense cuja obra viajava pela obscenidade e coloquialismo, com palavrões e rusticidade. Tudo regado a muita bebida e sexo. Maior que o Mundo é exatamente assim.

Sexo e drogas

Muitas cenas de drogas, o excesso de palavrões e a quantidade de cenas de sexo podem incomodar, mas é a escolha do roteiro e do diretor. Faz falta que isso traga um maior aprofundamento e mesmo as consequências dos excessos passam batidas, sem reverberações nos personagens.

Destaque para a participação de Fernanda Young como uma entrevistadora. Algumas das melhores cenas contam com ela. É quando o filme provoca o pseudointelectualismo ao analisarem as obras do escritor com uma profundidade que inexiste.

A direção é de Roberto Marquez e roteiro de Reinaldo Moraes. O elenco é bom e não decepciona dentro do que o filme busca apresentar. Eriberto Leão protagoniza ao lado de Luana Piovani, Maria Flor e Gabi Lopes. Além disso, o músico Otto vive um bandido e é responsável pelas cenas mais engraçadas.

A distribuição é da Imagem e o longa nacional já está nos cinemas brasileiros homenageando o cinema marginal, em específico a Boca do Lixo, um polo de produção cinematográfica que ficava no bairro de Santa Ifigênia, Centro da cidade de São Paulo, com maior atividade entre 1960 e o final dos anos 1980.

Enfim, veja o trailer:

Ademais, veja mais:

Crítica | ‘O Festival do Amor’ é Woody Allen falando de cinema e angústias existenciais

 Drive My Car | Um possível Oscar, espero

Arigó e o Espírito do Dr. Fritz | Livro conta a trajetória do médium que curou milhares

6 Comments

Escreve o que achou!