Crítica | ‘O Palestrante’ nos motiva a rir de experiências que já vivemos

A internet já nos brindou com o que de pior acontece em palestras motivacionais. Qualquer um que quisesse aprender a motivar funcionários e estudasse esses vídeos, provavelmente teria um resultado desastroso. É isso o que o protagonista de O Palestrante irá fazer após fingir ser outra pessoa e acabar nessa função “inspiradora”.

Guilherme (Fábio Porchat) não está em seus melhores dias, demitido após sugerir cortes na empresa e abandonado pela esposa, vê seu mundo ruir. Mas ao invés de se tornar violento como William Foster em Um Dia de Fúria, ele foge de sua vida assumindo o lugar de um Marcelo que era esperado por Denise (Dani Calabresa) na saída do aeroporto.

Com muito bom humor o filme satiriza as dinâmicas de grupo que tem a pretensão de unir e motivar funcionários. As expressões corporais exageradas de Porchat funcionam muito aqui, o desespero e desconforto do personagem ficam bem marcados enquanto tenta manter sua mentira. O motorista da empresa, Josué (Antônio Tabet), é quem vai encorajar “Marcelo” a não desistir e aproveitar os dias no hotel de luxo em que estão hospedados.

Piadas de cunho sexual

O filme é engraçado, porém ainda existe uma necessidade de colocar piadas de cunho sexual o tempo inteiro e isso tira espaço do humor de qualidade. Não é uma questão de conservadorismo, mas sim de não conceber como alguém pode achar piadas tão “quinta série” dignas de estarem em um filme.

O personagem de Tabet é uma versão do Peçanha, que ele faz no Porta dos Fundos e no filme da Amazon Prime. Bronco, machista, e claro, armado, é um estereótipo bem ofensivo para uma classe trabalhadora, e um desperdício de tempo de tela com suas bobagens. Mas ele é só a maior fonte desse humor American Pie, no geral, nenhum personagem escapa de ter uma piadinha ruim sobre genitálias.

O humor brasileiro vai muito além disso e boa parte dos atores do longa são excelentes em nos fazer rir de forma inteligente em outras mídias. Era para eles brilharem ainda mais em um filme que aborda um tema que poderia gerar piadas mais ricas e críticas. Na internet temos exemplos de palestrantes motivacionais fazendo funcionários gritarem para colocar para fora sua masculinidade. Ou uma equipe inteira de um restaurante fazendo o Haka, danças típicas do povo Maori. Há muito material melhor a ser explorado e que acabou ficando de fora, mas ainda assim o filme diverte e entretém.

A saber, a pré-estreia aconteceu no último dia 26 e contou com a presença do elenco. O Vivente Andante cobriu, veja aqui!

Por fim, para quem está acostumado com a Dani Calabresa mais solta que víamos desde a MTV e até mesmo no BBB 22, vai sentir ela mais contida, mas é o que o personagem pede e a atriz eficientemente entrega. O trio principal de funcionários formado por Otávio Muller, Miá Mello e Paulo Vieira tem muito carisma e dão um ótimo suporte à dupla de protagonistas.

Afinal, O Palestrante estreia dia 4 de agosto nos cinemas.

Enfim, veja o trailer de O Palestrante:

Ademais, leia mais:

‘Ela e eu’ é metáfora sensível de mudança incontrolável

Crítica | ‘Fado Tropical’ tem força melancólica como o ritmo português

Crítica | Afinal, “DC Liga dos Superpets” ironiza heróis, diverte e passa mensagem relevante

Escreve o que achou!