Wednesday, October 21, 2020

Mulher Oceano | Djin Sganzerla estreia na direção com longa filmado no Brasil e Japão

Djin Sganzerla estreia na direção de longa-metragem com MULHER OCEANO, filme rodado no Rio de Janeiro e no Japão. Atriz premiada e que trabalhou com diretores renomados, como Carlos Reichenbach (“Falsa Loura”), Helena Ignez (“A Moça do Calendário”), Júlio Bressane (“Capitu e o Capítulo”, em finalização, e “São Jerônimo”) e Rogério Sganzerla (“O Signo do Caos”),

A saber, além da direção, ela também assina o roteiro (escrito em parceria com Vana Medeiros) e a produção. Inicialmente, o longa fez sua estreia mundial no Festival de Cinema de Providence, Rhode Island (EUA), e foi exibido no Porto Femme International Film Festival (Portugal). Porém, na segunda metade de outubro, terá sua primeira exibição no Brasil, na Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, que acontece entre 22 de outubro e 4 de novembro. Depois disso, o filme estará no Festival del Cinema Latino Americano Trieste (Itália), que acontece em novembro.

Ponte

Djin interpreta as duas protagonistas, Hannah e Ana, ambas ligadas pelo mar. A primeira, escritora e mulher de um diplomata (interpretado por Gustavo Falcão), acaba de se mudar para Tóquio, e enfrenta um bloqueio criativo. A outra, funcionária de um banco de investimentos, é praticante de travessia oceânica e se prepara para atravessar a nado 35 km do Leme ao Pontal da Barra. São mulheres que estão em busca da sua verdadeira essência em um filme feminino, que trata das sutilezas da alma, da essência do ser. E também do que está oculto, não revelado nas pessoas, de forças da natureza que não explicamos, mistérios, sonhos que estão no plano inconsciente. E também retrata aspectos da força, da busca por uma transformação, da alegria, da delicadeza que está contida na força.

Djin Sganzerla, nasceu em meio as artes, filha de Helena Ignez e Rogério Sganzerla, considera sua primeira incursão na direção de um longa uma grande realização:

“Talvez uma das minhas maiores conquistas, amo o cinema profundamente, já o amava estando em frente às câmeras, agora o amor aumentou estando também do outro lado, como realizadora, pensando o todo, em todos os detalhes da criação, da sua gênese até a cópia final. Também foi um dos processos mais intensos que já vivi, mas absolutamente viciante. Meus pais [Rogério Sganzerla e Helena Ignez] eram e são realizadores obsessivos, acho que compartilho do mesmo vício. Deve estar no sangue.”

Documental e ficcional

O elenco de MULHER OCEANO inclui, além de Djin e Falcão, os atores Lucélia Santos, Stênio Garcia, Jandir Ferrari e o japonês Kentaro Suyama. “Dei espaço para o ator, liberdade para o frescor, para o improviso. Trabalhei com os atores e atrizes a parte sutil das personagens, o subtexto, a realidade de cada um e o que estava por trás.”, conta a diretora.

MULHER OCEANO é um filme no qual o documental e o ficcional se misturam, com um toque de neorrealismo. Um desses elementos documentais são as Amas japonesas, mulheres cujo trabalho consiste em mergulhar no mar em busca de pérolas, alimentos, entre outras coisas, e muitas delas, mesmo com a idade avançada, não abandonam a profissão. “Filmei muitas vezes de forma documental. No roteiro deixamos espaço para que o documental e a ficção se misturassem. Quis filmar nas ruas de Tóquio pensando nisso. Fiz uma extensa pesquisa de locações no Japão enquanto escrevia o roteiro com a Vana.” As filmagens na cidade japonesa duraram 22 dias.

Aliás, veja o trailer e siga lendo:

Água

Afinal, como a água é um dos principais elementos no longa, o Japão, por ser uma ilha, se tornou um cenário ideal. “O mar do Japão é uma grande metáfora de superação, de luta, de embate, de fúria, perigo e calmaria. O tsunami representa parte deste embate. Um povo que tem o xintoísmo como eixo, amor profundo e respeito pela natureza. E também outra ideia também presente no filme é a do sonho que invade a realidade”.

Além disso, dessa experiência de filmar no Japão e a realidade das Amas, Djin conta que saiu tocada. “As Amas dizem, no filme, que se deve ‘ver e aprender, o que acontece naturalmente, ninguém te ensina.’ As Amas falam sobre o processo delas de aprender como se tornar Amas. De uma outra forma transponho esta frase para o cinema. Muito eu aprendi observando, intuindo, sentindo, lendo, estudando. Busco na vida este misto entre sensibilidade e experiência”.

Por fim, MULHER OCEANO tem lançamento no Brasil pela Elo Company, ainda em 2020.

Ademais, veja mais:

‘Favela em mim’ é literatura ilustrada por verdade

Como Subir em Árvores | Editora do Brasil lança livro que traz reflexões

Confira a voz feminina representada em 7 HQs | Mulheres e Quadrinhos

Escreve o que achou!