Friday, September 25, 2020

O Riso e a Peste | Conheça o CorongaNews

“A arte existe para que a realidade não nos destrua.” Nietzsche (A Origem da Tragédia)

Essa semana vi um post no Instagram em que um artista indagava, quase que com culpa: “Gente, nesse momento fico com vários questionamentos, até sobre minhas Lives, com tanta gente sofrendo nesse momento, espero que pelo menos traga felicidade para alguém.”

Qual a função da arte, do drama e, principalmente, da comédia em situações históricas como a que vivemos hoje?  Como é possível rir em meio à pandemia? Vivemos um cenário análogo à guerra, os números, estatísticas e perdas são comparáveis.
Nos acostumamos a dizer que a linha de frente está nos hospitais e que os profissionais de saúde se tornaram os novos heróis. Além disso, nos deparamos com todos os demais efeitos secundários à contaminação pelo vírus: crise econômica, afloramento de delírios psicológicos e agravamento das questões sociais – depressões e ansiedades de quem vive em confinamento – ou sempre viveu. Mas é aí que surge uma outra linha de enfrentamento: a linha de trás. Isso lembra um filme.

“Durante a Segunda Guerra Mundial na Itália, o judeu Guido e seu filho Giosué são levados para um campo de concentração nazista. Afastado da mulher, ele tem que usar sua imaginação para fazer o menino acreditar que estão participando de uma grande brincadeira, com o intuito de protegê-lo do terror e da violência que os cercam. ”

A linha de trás é uma linha de frente ao contrário. E é ao contrário das coisas que o Teatro, o Circo, o Cinema, a Poesia, a Música, etc, normalmente se direcionam. O mundo para quem busca fazer arte é invertido. É assim em “A Vida é Bela”, que explora o lúdico, a fantasia e a alegria em meio a uma das maiores tragédias da humanidade.

O humor

A guerra rolava e em “O Grande Ditador” (1940) Chaplin também fazia humor com a situação e o nazismo, a peste da época. Ele faz isso para a linha de frente? Não, ele fez para quem estava em casa. A Peste não atinge apenas os órgãos, mas também onde eles não estão. Em o “Teatro e e seu Duplo”, Antonin Artaud faz uma comparação do vírus com a dramaturgia “Como a peste, o teatro é, portanto, uma formidável convocação de forças que reconduzem o espírito à origem de seus conflitos.”. Isso é o drama real, a ação que nos desloca de lugar, que traz o impensável e o impossível. Não exatamente por que o teatro deva se espalhar, mas por que ele deve fazer máscaras caírem. É necessário imaginar para criar outros mundos.

Na comédia, esse conflito fica mais visível, ao mesmo tempo que paradoxal. Ela desarticula tensões. Nesse caso, “fazer piada com a situação” é uma expressão equivocada para se referir a alguém que está diminuindo uma questão, como fazem alguns presidentes. Fazer humor não é menosprezar, ao contrário, é elevar a questão para ser pensada.

A pandemia além de perdas também trouxe um delírio coletivo e a interrupção da ordem estabelecida. E o caos é sempre o princípio da criação. Finalmente, a frase batidona de Nietzsche lá em cima fez todo o sentido, na prática.

Coronganews – Delírios da Quarentena

No meio dessa desordem que surgiu o Coronganews. Um telejornal confinado que mostra em cinco episódios, de forma nada precisa e consistente, os últimos acontecimentos de um mundo Pandêmico.

Ademais do CorongaNews, veja mais:

Isto é um Negro | CRÍTICA
Tântrica Santina – Rita Rocha e Alhandra A falam sobre teatro, política e resistência
Marcélli Oliveira usa o teatro para falar sobre suicídio | “A arte é tão essencial como a educação”

6 Comments

Escreve o que achou!

%d blogueiros gostam disto: