Onde está você, João Gilberto? | Doc narra a busca pelo ídolo oculto

O quão difícil deve ser procurar incessantemente por alguém que em hipótese alguma deseja ser encontrado? Essa é uma das maiores questões presentes no documentário “Onde está você, João Gilberto?” (2018), dirigido pelo cineasta francês Georges Gachot. O filme é uma adaptação do livro “HO-BA-LA-LÁ – À Procura de João Gilberto, escrito pelo alemão Marc Fisher. Ambos compartilhavam da mesma paixão pela música brasileira e mantinham o desejo de encontrar o artista que emocionou o mundo com a canção ‘Chega de Saudade’ e revolucionou a música nacional nos anos 50. 

A reclusão de João Gilberto

João Gilberto faleceu em julho de 2019, mas preservou muito a sua imagem em vida e esteve recluso por décadas. Os seus amigos nutriam uma proximidade por telefonemas. Alguns, aliás, estavam há 15, 30, 40 anos ou mais sem partilhar da presença física com o músico. No documentário, George trabalha bem esses momentos e entrevista até os funcionários do restaurante em que João era um cliente fiel. O curioso é que ninguém jamais o viu, nem mesmo o entregador das refeições que era orientado a deixar a comida na portaria. 

Georges Gachot mostra a sua caminhada em busca do criador da bossa nova a partir das experiências do autor Marc Fisher. É como se ele estivesse refazendo os passos de Marc que, por sua vez, procurava passar pelos mesmos lugares em que João Gilberto esteve ou poderia cruzar em algum momento. Marc teve uma morte prematura, faleceu aos 40 anos, pouco antes do lançamento de seu livro. Com isso, o cineasta George Gachot deixa claro que o desejo a ser realizado ali era de ambos. 

Entrevistas com Menescal, João Donato e Miúcha

Há entrevistas com grandes nomes da música popular brasileira que puderam viver os tempos da bossa com o músico como: Roberto Menescal, João Donato e Miúcha, ex-mulher de João e mãe da também cantora Bebel Gilberto. Eles trazendo bons relatos como o fato de o músico gostar de tocar dentro do banheiro devido a acústica do ambiente. Com altos e baixos a pesquisa é feita, a história é contada e o público pode acompanhar reflexões e bate-papos acerca da vida e obra daquele que era conhecido também pelo seu ouvido absoluto. Atualmente o documentário pode ser visto gratuitamente na programação de cinema do Sesc São Paulo

Foto: Divulgação

Ademais, veja mais:

Rio Music Market abre com show mágico de Júlia Vargas, Mestrinho e João Donato
Tiago Nacarato | “A música é a entidade artística que consegue unir pessoas de classes sociais diferentes”
Luca Argel | “Noel Rosa falava das coisas do tempo dele, eu falo das coisas do meu tempo.”

Escreve o que achou!