Cidade Pirata | Livro fala de carnaval de rua, coletivos culturais e o Centro do Rio de Janeiro

Cidade Pirata apresenta de forma apaixonada uma versão do Rio de Janeiro entre as transformações urbanas e a música nas ruas. A metrópole que foi invadida pelos jovens coletivos culturais e blocos de Carnaval que não são megashows ou megablocos. Além disso, fala das iniciativas criativas que fizeram parte de um intenso movimento de festas independentes no Centro entre 2010 e 2020.

Nessa época, a potência da cultura se espalhou pelos espaços públicos em plena cidade das reformas na década dos megaeventos. Um furacão sonoro e visual que permaneceu nas ruas mesmo diante do aumento da repressão. O Carnaval e a música ativista como forças inventivas numa cidade boêmia, litorânea e Pirata: laboratório sensível para pensar o passado e futuro da vida urbana no Brasil.

Narrado em primeira pessoa, o texto tem origem na dissertação de mestrado de Victor Belart (PPGCOM-UERJ) e nas vivências do autor, que trabalhou por anos junto de coletivos nas ruas. Dessa forma, é proposta uma viagem por algumas festas e cortejos musicais que circularam pelas modificadas regiões do Centro e Zona Portuária.

Por fim, são ocupações culturais atacando praças, túneis, mergulhões, barcas ou viadutos. Festa, política, consumo e cultura em espaços públicos: num dos berços da cidade, onde novos grupos surgiram e onde já viviam manifestações tradicionais antes das obras.

Adquira e saiba mais em editoraletramento.com.br

Por fim, a música está sempre presente e tem grandes ídolos da arte e muita coisa histórica na antiga capital do Brasil. Veja só:

Ademais, leia mais:

Confira Seu Sílvio e O Conto da Ilha Grande, em Angra dos Reis
Conheça quatro viagens para curtir natureza e exercício
Além disso, conheça o Trekking Terra dos Cânions: Expedição São José dos Ausentes

Escreve o que achou!