Saturday, November 28, 2020

‘Sete Anos em Maio’ e ‘Vaga Carne’ seguem para streaming | Cinema brasileiro

O lançamento de “Vaga Carne” e “Sete Anos em Maio” foi afetado pela crise do coronavírus. Com as salas de cinema fechadas por conta da pandemia, a distribuidora Embaúba Filmes decidiu por uma inversão nas janelas de lançamento. A partir de 14 de maio, “Vaga Carne” e “Sete Anos em Maio” ficam disponíveis para aluguel no site da Embaúba, por preços acessíveis. Contudo, quando os cinemas reabrirem, os dois filmes serão lançados como no plano original: juntos, em sessão única.

Dirigido pela atriz Grace Passô, ao lado de Ricardo Alves Jr, “Vaga Carne” é uma transcriação para as telas da peça teatral homônima. O filme poderá ser visto gratuitamente no site SPCine Play, com disponibilidade de 30 dias, e também estará no site da Embaúba Filmes, para ser alugado por $1,00.

Sete Anos em Maio

Além disso, disponível por $1,00, no site da Embaúba Filmes, estará “Sete Anos em Maio”, de Affonso Uchôa (codiretor de Arábia). A saber, o filme foi selecionado para quase 40 festivais pelo mundo e ganhou prêmios em 13 deles, como o Visions Du Réel (média ou longa mais inovador), Film Madrid, IndieLisboa, Festival do Rio, FestCurtas BH, Janela Internacional de Cinema do Recife e Olhar de Cinema de Curitiba; além de ter feito parte da seleção oficial da Viennale, do festival de Toronto e da 43a Mostra Internacional de Cinema em São Paulo. O filme foi escolhido ainda o melhor “Curta ou média-metragem” de 2019, segundo a ABRACCINE – Associação Brasileira de Críticos de Cinema.

São dois filmes de extrema relevância no cenário brasileiro atual, mas de circuito restrito, por terem uma duração que não é exibida em circuito comercial de forma usual. O lançamento digital é a oportunidade para assistir os dois premiados médias em casa.

Questão social

A produção aborda a questão social dentro do atual contexto brasileiro, com termos e ideias que rondam as reflexões sobre a nossa sociedade. Afinal, para a diretora: “O filme toca muitas questões e a noção de identidade é uma delas. Nele, o desejo de uma mulher por encontrar suas identificações sociais não é só afirmativo e cheio de certezas, como alguns querem crer. O desejo de nomear-se é o desejo de pertencimento, não é sequer uma escolha e, portanto, o olhar político para si mesma é uma necessidade de sobrevivência: existencial e social”.

As várias linguagens que o texto possibilita é um dos grandes destaques da história. “O movimento de articulação de uma linguagem a outra é o que torna essa construção interessante. O texto da peça também foi publicado, pela editora Javali. Portanto, ‘Vaga Carne’ transita entre três linguagens: a literatura, o teatro e o cinema”, afirma Ricardo Alves Jr.

História do Brasil

Criado como um ensaio sobre as formas do cinema representar um acontecimento trágico, o filme, rodado entre 2017 e 2018, transita entre diferentes abordagens da linguagem cinematográfica. Fala sobre a noite em que Rafael dos Santos Rocha foi torturado pela polícia. A narrativa parte desde o mais claro “documental”, passando pela fabulação e alegoria.

“Nesse processo, o filme conecta a história de Rafael com a história do Brasil, construindo uma ponte entre o particular e o coletivo, contando a história de um jovem de periferia violentado pela polícia como a história de uma multidão”, diz o diretor Affonso Uchôa.

Enfim, o filme busca mostrar como a violência policial contra os jovens negros e pardos de periferia é cotidiana. A história de Rafael é simbólica da atuação da polícia nas periferias, em como vidas são transformadas através da violência desmedida, sem cuidado com as suas consequências.

Ademais, veja mais:

Tela & Cor – Sobre racismo no audiovisual brasileiro
O Preço da Teimosia | Cinema em tempos de COVID-19 | Assista
Aliás, tem samba, memória e história: Mimo Festival 2019 no Cine Odeon

1 Comment

Escreve o que achou!

%d blogueiros gostam disto: