Fórmula 1 | O fogo, a vida, a morte e a crônica de um acidente

Não posso mentir e dizer aqui que sempre fui fã de Fórmula 1. Nunca liguei muito. Lembro sim de meu pai vendo o Ayrton Senna aos domingos. Quando cheguei a maioridade, comecei a dirigir e a entender melhor sobre as habilidades de um piloto e compreendi melhor o fascínio de quem gostava.

Contudo, hoje, existe um ídolo, um símbolo: Lewis Hamilton. Um piloto negro recordista de vitórias e que não se esconde, usa seu poder em prol do bem. Ou seja, contra o racismo e a favor de valores nos quais acredita, entre eles, o veganismo. Ele faz com que haja uma vontade de assistir as corridas, ver seu show na pista e o show ainda maior nos discursos. Tenho muito orgulho de ver esse homem negro de tamanha força moral tendo tanto sucesso.

Fogo e Neve

Estava trabalhando e a televisão ligada. Acabou de acontecer um acidente grave no Grande Prêmio do Bahrein. Um carro bateu, quebrou ao meio e virou uma bola de fogo. O piloto Romain Grosjean sobreviveu. Ficou 29 segundos no meio do incêndio, mas conseguiu sair. As cenas são impressionantes e assustadoras.

Ayrton Senna morreu num acidente no meio da pista, aparentemente bem menos grave que esse. Não teve fogo, mas teve morte.

Outro piloto super habilidoso, Michael Schumacher, sete vezes campeão, caiu enquanto esquiava nos Alpes franceses e ficou em estado vegetativo.

Minha mente divaga nessas situações. Pessoalmente, já passei por um acidente de carro. Na época, o então amigo que dirigia dormiu no volante. Eu estava no carona e a última coisa que lembro é de botar o cinto e dormir. Ele me acordou enquanto o carro capotava descendo um barranco. Abri os olhos e vi o vidro explodindo em cacos. O veículo ainda quebrou uma árvore no meio do caminho e ficou de cabeça para baixo.

Se não tivesse posto o cinto, sem dúvidas, você não estaria lendo esse texto agora. Acredito em algo mais, acima de nós, porém, quem decide quem fica e quem vai? Enquanto um cai no gelo e fica paralisado, outro sobrevive no meio do fogo.

O Pantera Negra Chadwick Boseman morreu de câncer. O Pantera Negra Lewis Hamilton vive perigosamente pilotando na Fórmula 1 se levantando como um herói da vida real.

O texto não tem conclusões. São devaneios do sobrevivente de um grave acidente de carro. Agradeço pela oportunidade de estar com vida e procuro trabalhar pelo bem, evoluir como ser humano. É o mínimo que posso fazer.

Ademais, leia mais:
O Despertar da Lenda | Crônica de um heroísmo
Tigertail e o choro contido | Crônica
Sérgio e o Buda | Crônica

Por fim, veja o curta “Na Beira”:

Escreve o que achou!