Aprenda mais sobre o idioma Crioulo | Aprendizaji di lingua kabuverdianu i padronizason di skrita

O nome escolhido para a conferência sobre a língua cabo-verdiana, ou crioulo como é vulgarmente utilizada no seio da comunidade cabo-verdiana, não poderia esquivar-se da homenagem à língua materna dos cabo-verdianos. “Aprendizaji di lingua kabuverdianu i padronizason di skrita”, ou, em português “Aprendizagem da língua cabo-verdiana e padronização da escrita”, foi o tema escolhido para colocar em debate, este ano, enquadrado nas comemorações do dia da língua materna que se comemora no dia 21 de fevereiro.

Sendo que a data (21 de fevereiro) calhou em um domingo. Dessa forma, o Ministério da Cultura e das Indústrias Criativas de Cabo-Verde, através do Instituto do Património Cultural em conjunto com a Biblioteca Nacional de Cabo Verde, decidiu organizar a conferência no dia 18 de fevereiro de 2021.

Fazendo uma breve contextualização, o crioulo cabo-verdiano é considerado um dos crioulos mais antigos do mundo, formado no seio da época colonial. Da miscigenação de povos que se encontravam no arquipélago, originou tanto o povo cabo-verdiano, como o crioulo, que é tão antigo como o próprio cabo-verdiano.
Apesar das circunstâncias da época, da insularidade, esta língua ou dialeto (como defendem alguns linguistas) consegui sobreviver até aos dias atuais, sendo utilizada em todo o território cabo-verdiano e além fronteiras, no seio das comunidades cabo-verdianas na diáspora.

Questões em debate

Contudo muitas questões têm vindas a ser debatidas em torno do crioulo, visto que apresenta algumas variantes formadas no próprio território cabo-verdiano. variantes essas que causam controversas principalmente no que diz respeito à oficialização da língua, pois a língua oficial em Cabo Verde é o Português.
Ao longo dos anos, tanto os governos, como os próprios cabo-verdianos (muitos) têm defendido essa oficialização, processo que requer estudos aprofundados por parte de linguistas e consequentemente a padronização do crioulo, a nível da escrita.

Como foi referido na conferência existem uma série de materiais que servem de base, como livros,  documentos, o ALUPEC que é o Alfabeto Unificado para a Escrita do Caboverdiano , para que essa oficialização seja levada avante. Nesse sentido a Conferência “Aprendizaji di lingua kabuverdianu i padronizason di
skrita”, teve lugar na Biblioteca Nacional de Cabo Verde, com transmissão em direto nas redes sociais, contou com a participação de linguistas e membros pertencentes à comunidade cabo-verdiana na diáspora que discutiram algumas questões e preocupações no que diz respeito principalmente ao ensino do crioulo,
ou seja, o objetivo passou por fazer uma ponte entre Cabo Verde e a diáspora, promovendo a partilha de experiência entre paladinos do ensino da Língua Cabo-verdiana espalhados pelo mundo.

Estabelecido como património cultural imaterial, pelo governo de Cabo Verde, o crioulo apresenta diversas questões que necessitam ser trabalhadas e valorizadas enquanto um bem essencial na vida dos cabo-verdianos.

Para saber mais assista a conferência através do link abaixo:
https://www.facebook.com/watch/live/?v=478891386615263&ref=watch_permalink

Ademais, leia mais:

Placido Vaz lança nova música | “Cabo Verde tem muito do Brasil e isso é muito bom”
45 anos da Independência de Cabo Verde | Diversidade cultural africana
Ana Catão | “Nossa missão é trazer essa história que foi varrida para debaixo do tapete”

Escreve o que achou!