Friday, November 27, 2020

Mar de Gente | Gabi Buarque faz live de lançamento do novo disco

Gabi Buarque lançou seu novo disco,“Mar de Gente”, em junho último, mesmo nas condições sociais impostas pela pandemia. Ou seja, sem show no teatro, sem o abraço dos amigos. Porém, depois de cantar em dois ou três festivais online, interagindo com o público via celular, Gabi decidiu encarar uma live de lançamento do álbum. A saber, será no sábado, 29 de agosto, às 18h, no Instagram da cantora.

“É preciso desprendimento pra lançar um disco em meio a uma pandemia. Mas foi justamente pensando neste momento delicado e no meu público, responsável pela realização deste projeto, que resolvi colocar as canções no mundo, vibrando luta e arte – quiçá cura, pra nós que estamos doentes de Brasil”, diz Gabi.

Este é o seu terceiro disco. Gabi canta, compõe, toca um violão elegante e gosta de conceituar as suas criações. Assim nasceu a capa do álbum, pensada em parceria com Marina Sereno. Fala das águas através de texturas da pele humana, de diversas etnias. Impacta pela beleza das imperfeições.

Imagens e Poesia

O mar vem em preto e branco nas poéticas imagens feitas pela DuHarte Fotografia. Enquanto isso, no disco, cada uma das 13 faixas foram arranjadas por Luis Barcelos. “O CD vem como as ondas do mar, num crescente, prezando por uma diversidade rítmica e de temas. Não falo só sobre amor, não canto só samba”, explica a artista carioca.

“Mar de Gente” abre com “Samba Rezadeiro” (de Gabi e Roberto Didio), como que pedindo licença para adentrar nessas águas sagradas do cancioneiro popular. Fala sobre a força ancestral, do violão que já foi tronco de cativeiro. Depois é a vez da balada pop folk “É” (parceria com Socorro Lira), fácil de aprender, boa de cantar junto e realista com charme.

Em seguida, a correnteza traz “Se cesse” (Gabi Buarque e Socorro Lira, com versos de “O Amor”, de Fernando Pessoa), uma cantiga de um amor que não pode ser expressado. Algumas frases parecem flutuar na boca de Gabi – sensação que se repete ao longo do disco. Gabi canta como o correr de um rio.

Pedras e Conchas

“A Voz do Vento” (só de Gabi) é uma quimera, emaranhada em saudade e desejo. “Luzia Luzia” (dela com Marina Sereno), um xote apaixonado, enfeitado pelo acordeom do Kiko Horta. Já o samba de roda “Morena do Mar”, com participação da parceira Silvia Duffrayer, integrante do Samba que Elas Querem, poderia ter nascido no quintal de Tia Ciata ou nas rodas do Recôncavo Baiano, onde Gabi buscou inspiração para fazer essa homenagem à Iemanjá.

“Gente é pedra” (outra com Socorro Lira) flerta com Elomar, enquanto “Pulso aberto” é um poema de Maria Rezende sobre o que é ser mulher no seu íntimo plural. Poucas vezes ouvimos uma canção sobre medo em tão boa companhia. Em “Os muros” (mais uma com Socorro), Gabi abraça, entre outros, Nelson Mandela, Clarice Lispector, Oscar Wilde, Frida Kahlo, Violeta Parra e Fernando Pessoa para enfrentar os seus temores, antes de entrar na “Concha” (dela com Angélica Duarte) em dueto com Áurea Martins – Cristóvão Bastos opera maravilhas ao piano.

“Pensei imediatamente em convidar a Áurea para gravar comigo, quando fiz ‘Concha’, com letra melancólica da Angélica. O nome de Cristóvão veio logo depois de um papo com Áurea porque ela já queria incluir esse samba-canção no repertório do show deles. Cristóvão gravou em cinco minutos, de primeira, e fico impressionada toda vez que ouço pela delicadeza a escolha das notas. Sou muito fã desses dois baobás da música brasileira”, conta ela.

Samba-manifesto

“Quantos” (Gabi Buarque), outra balada pop, Gabi fez pensando no período da ditadura e no negacionismo que retorna com força nos tempos atuais. “De que vale a morte dos que lutam / Se o passado não diz nada pra você?”, questiona a letra. “Quantas voltas o mundo dá / Pra voltar ao tempo de esquecer?”, pergunta, repetidas vezes.

O disco se encaminha para o fim com “Penha”, dedicada ao bairro do subúrbio carioca, onde houve uma das rodas de choro mais fundamentais do século, mas, na canção, aparece como símbolo de resistência e fé. Antes de cantar, Gabi cita uma frase do filósofo Eduardo Marinho. E ainda ecoando esse coletivo, Gabi lidera um sexteto vocal poderoso para fazer a derradeira. Nina Wirtti, Mariana Baltar, Thais Macedo e as supracitadas Áurea Martins e Silvia Duffrayer interpretam com firmeza essa faixa-título.

O samba-manifesto “Mar de Gente” (Gabi), de número 13 na bolacha, foi inspirado nas lutas diárias a favor da democracia e dedicado a autoras negras, como Conceição Evaristo, Carolina Maria de Jesus e Maria Firmino dos Reis. “Este samba também procura dar voz a todas e todos que foram silenciados pelo Estado. Essa luta é nossa. Somos um mar de gente”, defende Gabi Buarque. E os versos ficam entoando ao fundo: “E quem não viu há de ver / O outro lado da história vencer / A verdade não tarda a nascer / Nossa luta vai prevalecer”.

Serviço:

“MAR DE GENTE”, LIVE DE LANÇAMENTO

QUANDO: Sábado, 29 de agosto, às 18h

ONDE: www.instagram.com/gabibuarquecantora

QUANTO: Grátis!

Ademais, veja mais:

Marco Gottinari lança “Xondaro” | “Somos livres quando cumprimos nosso propósito”
Além disso, conheça 5 álbuns de mulheres de Cabo Verde para ouvir
Por fim, Tela & Cor, o racismo no audiovisual brasileiro

Escreve o que achou!