‘Os Miseráveis’ é um soco no estômago | CRÍTICA

Os Miseráveis é um soco no estômago, expondo os efeitos da opressão policial e da desigualdade social que assolam qualquer região periférica no mundo. Indicado ao Oscar de melhor filme estrangeiro, o drama policial de Ladjy Ly, carrega uma história poderosa sobre a diversidade social e étnica vivida na França, mas, sobretudo, é um relato sobre a opressão vivida em regiões periféricas, com características muito próximas às do Brasil. O longa, carrega o mesmo título da obra de Victor Hugo, clássico da literatura francesa abordando a extrema pobreza na frança revolucionária do século XV.

Diversidade Étnica na França Atual

Apesar do simbolismo da cena de abertura, numa comemoração da vitória da seleção francesa de futebol, a união entre a população no que toca a diversidade étnica vivida na França atual é um dos pontos de discussão do filme. Num bairro do subúrbio de Paris, onde vivem árabes, muçulmanos, franceses, negros e brancos, a complexidade étnica, religiosa e política parece ser um agravante para as mazelas causadas por uma dura realidade social, numa região onde o poder do Estado só chega através da opressão policial racista e arbitrária. O protagonismo dicotômico do filme O tom quase documental utilizado por Ladj Ly no filme, confere um caráter extremamente realista à narrativa, que demora um pouco a engrenar os momentos de ação, enquanto nos apresenta as realidades opostas vividas pelos dois grupos de protagonistas.

Os primeiros minutos do longa nos conduzem rumo à atmosfera de tensão vivida na região, revelando o jogo de poder que acontece entre a polícia local e os moradores, principalmente um grupo de crianças e adolescentes que, rendidos ao status quo,
praticam pequenos furtos e outros delitos e, por isso, são constantemente abordados de forma violenta e arbitrária pelos policiais da divisão anti-crimes. O protagonismo dicotômico do filme, marcado pela capacidade exímia de Ladj Ly ao contar essa história com legítimo lugar de fala, visto que o diretor cresceu neste bairro, demonstra o quanto estamos todos igualmente inseridos em uma mesma realidade.

Por mais que acreditemos em linhas imaginárias nos separando, somos unificados enquanto sociedade oprimida e abandonada pelo Estado. Tal qual o policial, é o meliante que ele agride. Tal qual os chefes do crime, são os políticos corruptos de uma
cidade. Esse, certamente, é o ápice da discussão que o roteiro, co-escrito por Ladj Ly nos apresentará nessa história.

Filme Os Miseráveis, francês, de Ladj Ly. Indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. Saiba mais.
Opressão e repressão são temas abordados (divulgação: DIamond Films Brasil)

Qualquer semelhança não é mera coincidência

Aos poucos, podemos perceber que a realidade vivida em Montfermeil se assemelha a qualquer bairro do subúrbio de grandes capitais. Vemos uma região marcada pela ausência do Estado, com policiais violentos, opressores e coniventes com o crime, falta
de políticas sociais, políticos corruptos e, obviamente, com o crime ocupando o poder na organização social. Poderíamos facilmente estar falando de algum lugar do Brasil, certo? Mas nesse caso, o subúrbio de Paris é o palco dessa história. E as semelhanças, com certeza, não param por aí.

Um pequeno furto na região parece levar os policiais ao limite numa caçada a um adolescente que eles acreditam ser o responsável pelo delito, e é aí que o filme finalmente começa seu ponto de virada. Num ato de violência explícita, um dos policiais atira diretamente no adolescente com uma bala de efeito moral, deixando-o desacordado. O que já seria uma situação complicada para a polícia local, se torna pior quando os policiais percebem que um drone havia filmado toda a ação. A partir daí acompanhamos uma sequência empolgante, capaz de nos deixar totalmente presos à uma trama de suspense e ação enquanto Chris e Gwada tentam recuperar a filmagem que os incrimina.

Nesse ato, Ladj Ly consegue tocar em todos os pontos nevrálgicos que perpassam os problemas da repressão policial nas periferias. Numa trama com direito a policiais solicitando a ajuda do crime organizado, tentando omitir seus delitos, políticos
corruptos e o principal: uma população duramente oprimida, nesse caso, materializada na figura de crianças perseguidas por aqueles que deveriam protegê-las. Sob os gritos de “Eu sou a lei”, Chris, o policial mais violento do trio, ameaça retirar o vídeo das mãos de uma criança à força, demonstrando o poder que seu distintivo carrega. Mesmo conseguindo se livrar das provas do crime cometido por Gwada, Chris não estará a salvo do que o espera.

Resistência garante o clímax

Mais do que uma história que expõe problemas que todos nós estamos cansados de conhecer, Os Miseráveis traz uma reflexão sobre os efeitos da ausência do Estado em todas as suas instâncias. O filme é uma história de opressão. Policiais oprimidos enxergam moradores de regiões periféricas como inimigos, que enxergam esses policiais como a causa de seus problemas. Infelizmente a única política pública que chega até eles. Todos travam uma guerra causada, primeiramente, por um Estado omisso e responsável pelos dois.

Poucas vezes os oprimidos conseguem observar que a linha tênue que os divide de seus opressores. Afinal, todos são oprimidos de alguma forma, seja o policial que apesar de ter nascido no mesmo bairro, se enxerga diferente das crianças que oprime, ou o francês branco classe média que acha que é superior a alguém. Todos vítima do mesmo sistema, corrompido em seu cerne.

É assim que se encerra Os Miseráveis. Num ato de resistência aos policiais, os adolescentes de Montfermeil se reúnem em um ataque surpresa capaz de eliminar a força opressora. O desfecho fica a cargo de nossa imaginação. Afinal, o que importa nesse filme é o peso do desenrolar dessa história. O final, seja qual for, é uma perda, para ambos os lados.

Enfim, se liga no trailer:

Ademais, leia mais:

Andréa Cursino e o Cinema para Sempre, uma aula sobre Crítica de Cinema
Nazismo e a Penumbra Estética | Roberto Alvim e Goebbels
Testemunha Invisível | CRÍTICA
Anúncios
Show More

2 Comments

Escreve o que achou!

Instagram
%d blogueiros gostam disto: