Friday, September 25, 2020

Com Amor, Van Gogh | O Sonho Impossível | CRÍTICA

Com Amor, Van Gogh – O Sonho Impossível é um documentário dirigido por Mike Wecel que conta sobre o processo de dez anos de produção do inovador e aclamado filme “Com Amor, Van Gogh” (Loving Vincent), o primeiro longa de animação da história feito completamente com pinturas. Esse documentário dirigido por Miki Wecel mostra toda a vontade de inovar dos cineastas Hugh Welchman e Dorota Kobiela, os quais não tinham o respaldo da indústria cinematográfica e nem experiência.

Mike Wecel não inova como seus colegas, mas segue o estilo tradicional de depoimentos, intercalando imagens do processo de produção do filme “Com Amor, Van Gogh”. Utiliza a técnica time-lapse algumas vezes e consegue fornecer certo dinamismo. O mais importante é que acaba por criar uma relevante aula de cinema, sobretudo de animação. Desde as agruras na criação do roteiro, passando pelo financeiro, as burocracias, as tristezas e alegrias que envolvem a sétima arte. Também acaba sendo uma ode à coragem ao demonstrar as muitas dificuldades enfrentadas.

Dorota Kobiela e a arte

Vemos um pouco das influências da diretora Dorota Kobiela e seus amigos, a diferença que bons professores fizeram em sua vida, ensinando sobre as bases da arte. Isso acabou plantando a semente que germinaria na ideia de contar as vivências de Van Gogh através de suas pinturas, já que o artista criava muitas de suas obras a partir do que vivia e as pessoas que lhe rodeavam. O árduo trabalho que todos os indivíduos envolvidos tiveram fica bem claro durante a exibição. “Com Amor, Van Gogh” era para ser um curta-metragem de sete minutos e acabou virando um longa de 1 hora e 35 minutos. Vemos como foi a campanha de arrecadação, o medo de não dar certo, as ansiedades. A alegria de conseguir o apoio da cidade de Breslávia, na Polônia, que havia sido a capital cultural europeia de 2016.

No geral, os depoimentos são interessantes, e o que mais se sobressai é realmente o interesse pelas dificuldades do processo, desde seu início até o glorioso final.  O grande número de pintores que foram treinados para serem animadores é algo impressionante, assim como os atores que se misturavam às pinturas durante as filmagens. O documentário acaba contando também um pouco sobre a vida do pintor.

A longa jornada

Interessante acompanhar o momento em que liberam um trecho do filme na internet que viraliza, tornando-se um divisor de águas que estimula o seguimento do trabalho. Jornais de todo o mundo começaram a falar sobre a ideia inovadora inspirada pelas mais de 400 pinturas que Van Gogh fez durante oito anos,  e como a animação percorre locais e personagens de sua obra. Posteriormente, é curioso ver a força de vontade na divulgação do longa-metragem. A saber, os cineastas enfrentaram mais de noventa voos em dez meses, aceitando todos os convites possíveis para entrevistas e festivais.

O resultado de toda a jornada que o documentário mostra é uma declaração de amor por Van Gogh. Contudo, com a distinção de estrear uma técnica de animação a partir de pinturas a óleo, ou seja, seguindo o mesmo estilo do homenageado. O resultado, “Com Amor, Van Gogh” é visualmente deslumbrante. Um dos maiores méritos do documentário é afirmar que o sonho impossível pode ser realizado.

Afinal, “Com Amor, Van Gogh – O Sonho Impossível” é indicado para qualquer pessoa que se interessa por como o cinema é feito. Aqueles que tem amor por essa arte coletiva e gostam de saber as minúcias necessárias para a realização desse trabalho de tamanha magnitude. Inclusive, é muito atrativo também para os que gostam de arte, pintura e animação. E, claro, do genial pintor Vincent Van Gogh.

Trailer:

Ademais, leia mais:
Entenda a Direção de Fotografia com Flávio Ferreira
Inclusive, a 23ª Mostra de Cinema de Tiradentes começa em 24 de janeiro
Jumanji: A Próxima Fase | CRÍTICA

Escreve o que achou!