Saturday, December 4, 2021

Resenha | As 79 Luas de Júpiter

“As 79 Luas de Júpiter” é leitura que dilacera. Não espere, portanto, que vá ler os 105 poemas do livro e sair incólume. Não. É uma leitura fácil, porém pode ser dolorosa para o leitor não acostumado a dissecar seu eu interior.

As poetas Leidiane Holmedal e Lucila Eliazar Neves derramam emoções intensas e densas, inegavelmente. Abordam assuntos delicados, como estupro. Mas, também, outras experiências sofridas da vida de todo ser humano. Decepções amorosas e desencontro consigo mesmo são alguns temas para poemas que atingem em cheio o leitor.

Não pense, porém, que é um livro amargo. Não é. É um livro, sobretudo, cheio de esperança e de paixão pela vida. Se fôssemos resumi-lo em uma palavra, seria “amor”. Não apenas amor por outras pessoas, como amor por si próprio. Mas, antes de tudo, amor pelas experiências. Boas e ruins. Lucila e Leidiane têm tanto domínio de seu instrumento principal, a palavra, que levam o leitor exatamente para onde querem. E elas constroem cenários e criam sensações dentro de cada um. Alé disso, têm coragem para falar sobre assuntos e emoções que muitos têm medo até de mencionar.

É, de fato, leitura arrebatadora.

As autoras

“As 79 Luas de Júpiter” é o primeiro livro das poetas Leidiane Holmedal e Lucila Eliazar Neves. Amigas de longa data, decidiram publicar sua primeira obra juntas. “Leidiane e eu somos amigas há muitos anos e nos últimos começamos a trocar poemas e conversar sobre eles, ou apenas conversar e das conversas saírem poemas. Depois de quase 10 anos fazendo isso, surgiu a ideia do livro”, disse Lucila em entrevista exclusiva para o Vivente Andante que, em breve, será publicada (fique de olho!).

Lançado pela Editora Penalux, o livro pode ser adquirido no site da editora por R$42. A saber, Lucila tem alguns exemplares com ela. Se você preferir ter sua cópia assinada, pode, também entrar em contato com ela em seu Instagram. Afinal, nada mais chique do que uma receber o livro da própria autora. E, acima de tudo, autografado!

Ademais, veja mais:

Entrevista com Anna Carolina Ribeiro | “Me sinto quase uma médium anotando as coisas e traduzindo ideias em palavras”

Resenha | No útero não existe gravidade

Paulina Chiziane | Primeira mulher de África a ganhar o prêmio Camões

2 Comments

Escreve o que achou!

%d blogueiros gostam disto: